Sobre nós

Curta!

Seguidores

Twitter

Siga por e-mail

Siga!

Eu leio Brasil

Pai bárbaro

Loja do leitor

Meise está lendo

Isadora está lendo

Favoritos de Meise

Favoritos de Isadora

Tecnologia do Blogger.

Link us

Viciadas em Livros

Arquivo do blog

30 de abril de 2014

Resenha: Como viver eternamente - Sally Nicholls



Título do livro: Como viver eternamente
Autora: Sally Nicholls
Páginas: 230
Editora: Geração Editorial

   O que você pode esperar de um livro que foi recebido “ao acaso”, com uma carta citando os “cinco motivos para você conhecer esta historia” e um pacotinho de lencinhos de papel escrito: “tinha certeza de que precisaria de um desses...”? Pois é!
   “Como viver eternamente” me ganhou a partir do momento que li sua sinopse. Sam é um garotinho de 11 anos que tem leucemia, e, como ele mesmo diz, “você nunca está totalmente curado, ela sempre volta”, e já era a terceira vez que ela se manifestava em Sam.
   O livro é como se fosse um pequeno caderno de anotações do Sam, onde ele anota coisas que ocorreram no seu dia a dia, compartilha suas angústias, medos, tristezas, alegrias e decepções. Fora uma ideia de sua professora, Sra. Willis, a de escrever o livro. O menino é feliz, apesar de tudo, e pela pouca idade, podemos perceber o quão inteligente ele é.
   Sam tem um amigo, Felix, que também está doente (embora no livro ele não especifique a doença). Felix é o oposto de Sam: reclamão, briguento e mau humorado. Não consegue entender o por que de seu amigo ser tão positivo quando está quase morrendo, por isso está sempre desafiando Sam ou fazendo o garoto mudar de ideia. Mas, apesar de tudo, Felix é um bom menino e ajuda Sam a realizar seus últimos desejos.
   Sam resolveu escrever um livro porque queria que as pessoas lembrassem dele. Ele me ensinou muita coisa, me emocionou, me cativou. Claro que o menino não pensa positivo sempre, afinal, ele é uma criança que quer entender o por que de estar doente, como ele mesmo escreveu no caderninho:


   Por isso o garoto tem crises nervosas e briga com sua família algumas vezes, o que é totalmente compreensível. A mãe de Sam parou de trabalhar para cuidar dele, e o menino entende tudo o que ela já fez por ele, muitas vezes ele descreve o fato de ter mudado tudo na vida dos pais. O pai dele, pelo contrário, prefere não falar sobre a doença do filho, se esgueira pelos cantos e prefere ficar sozinho, calado.
   Não há muita coisa para falar sobre o livro, visto que soa como um diário do garoto mesmo, parece infantil, mas não é; acredite, Sam me ensinou muita coisa que jamais esquecerei. Ele não desistiu, lutou até o fim. A leitura é rápida e flui com muita rapidez, visto que os “capítulos” são curtinhos e Sam não nos deixa parar até terminarmos de fato a leitura.
   Sam tem medo de morrer, expressa todo o medo no seu livro, tem medo de ser esquecido, de esquecer, por isso observa ao máximo as pessoas ao seu redor, para ter certeza de que não irá esquecê-lasÀs vezes eu tinha vontade de entrar literalmente na vida de Sam, abraçá-lo, acariciá-lo, simplesmente ficar com ele, sabe? Ele acabou se tornando parte de mim, pelo fato de ter me ensinado tanto com pouquíssimas palavras.
   Tentei ao máximo fazer uma resenha sucinta (sem muito sucesso, claro haha), mas arrisco dizer que “Como viver eternamente” foi o melhor livro que li este ano, e um dos melhores que já li na minha vida. Obrigada Geração Editorial por ceder esta obra incrível! E obrigada Sally Nicholls, por dar vida a um garotinho de 11 anos que me ensinou muita coisa.
   Sam não ensina como viver eternamente no seu livro. Sam nos ensina de fato como viver
cada instante como se fosse o último, através de suas experiências de vida. 

Quote:  “(...) Eu também dormia, sentindo-me confortável no ninho da minha família, mas era como se estivesse do lado de fora de mim mesmo. Assistia a mim mesmo dormindo, de cima. Não havia luzes brilhantes. Não havia anjos. Somente papai, mamãe e Bella (irmã de Sam), todos dormindo na cama grande comigo, e ao mesmo tempo eu estava acima deles, observando, enquanto eles ficavam cada vez menores e distantes”.








Livros que podem cair no seu vestibular.

Olá estudantes viciados em livros! Deve estar muito puxado sua vida, mesmo que estamos longe do vestibular de final de ano. Mas, julho está aí e quem não conseguiu em dezembro pode ser agora a sua vez. Eu preparei esse post com alguns livros que encontrei em sites de universidades, de estudantes, sites guias, que podem cair no vestibular, alguns desses livros caíram no do ano passado e pelo o que eu li/vi pode cair até em 2016. Então, não pense só na hipotenusa, raiz quadrada, na tabela periódica, lembre-se que um bom livro clássico também pode te ajudar.
  • Viagens na minha terra – Almeida Garrett;
  • Til – José de Alencar;
  • Memórias de um sargento de milícias – Manuel Antônio de Almeida;
  • Memórias póstumas de Brás Cubas – Machado de Assis;
  • O cortiço - Aluísio Azevedo;
  • A cidade e as serras - Eça de Queirós;
  • Vidas secas - Graciliano Ramos;
  • Capitães da areia – Jorge Amado;
  • Sentimento do mundo – Carlos Drummond de Andrade.
  • Vária História – Machado de Assis
  • Juiz de paz na roça – Martins Pena
  • O que é isso, companheiro? – Fernando Gabeira
  • O fantástico na Ilha de Santa Catarina – Franklin Cascaes
  • Relato de um certo Oriente – Milton Hatoum
  • Agosto – Rubem Fonseca
  • Cronistas do descobrimento – Antônio Olivier e Marco Villa
  • Melhores poemas - João Cabral de Melo Neto



Se a grana tiver curta, corre até alguma biblioteca perto da sua casa e pegue os livros. Não custa também dar uma conferida em outros sites para ver outros livros, vale tudo para tirar uma boa nota, né? Beijos galera, até mais ver!

29 de abril de 2014

Resenha Filme - Noé (Noah)

Olá pessoal, tudo bem?

Eu fui assistir o filme Noé no cinema e confesso, me apaixonei. Então, hoje trago para vocês a (breve) resenha do filme e tentarei por o mínimo de Spoilers possíveis, rs.


LANÇAMENTO: 03/04/2014
DIRIGIDO POR: DARREN ARONOFSKY
GÊNERO: FANTASIA, ÉPICO, AVENTURA
NACIONALIDADE: EUA
Sinopse:

Noé (Russell Crowe) vive com a esposa Naameh (Jennifer Connelly) e os filhos Sem (Douglas Booth), Cam (Logan Lerman) e Jafé (Leo McHugh Carroll) em uma terra desolada, onde os homens perseguem e matam uns aos outros. Um dia, Noé recebe uma mensagem do Criador de que deve encontrar Matusalém (Anthony Hopkins). Durante o percurso ele acaba salvando a vida da jovem Ila (Emma Watson), que tem um ferimento grave na barriga. Ao encontrar Matusalém, Noé descobre que ele tem a tarefa de construir uma imensa arca, que abrigará os animais durante um dilúvio que acabará com a vida na Terra, de forma a que a visão do Criador possa ser, enfim, resgatada.


Resenha:

O que me despertou a curiosidade para ir ao cinema e conferir esse filme, foi o elenco. Emma Watson, Logan Lerman, Jennifer Connelly e Russell Crowe no mesmo filme, é sucesso na certa!

Mas antes, eu resolvi dar uma olhada no que as pessoas que já viram o filme tinham achado. Honestamente, como todo o filme, sempre há quem A-M-A e quem O-D-E-I-A, nesse filme não foi diferente principalmente por tratar-se de uma "adequação" da história bíblica de Noé, para o cinema.

Adão e Eva são tentados pelo "fruto proibido" e, com isso, tem vários filhos: Abel, Caim, Sete e mais outros filhos e filhas. O que mais se destacou nisso tudo, foi quando Caim matou Abel e fugiu criando uma cidade (a qual expandiu-se para todas as outras regiões do mundo), onde os homens podiam comer carne e também a violência e poligamia eram, de certa forma, permitidos. Os descendentes de Caim, são aqueles que irão guerrear com Noé durante e após a construção da arca. 

O filme enfatiza muito a questão ecológica, antes de Noé e sua família partirem na jornada atrás de seu avô, Matusalém, pode-se perceber a escassez de recursos no solo, lugares que já foram explorados pelos homens.

Noé consegue se manter fiel à Deus e consegue realizar a tarefa que lhe é designada: construir uma arca para abrigar as espécies durante um dilúvio que dará início à uma nova vida na Terra.

Os efeitos visuais do filme são maravilhosos. Eu tive a oportunidade de assistir em 3D e não me arrependi nem um pouco. Inclusive, a história é de fácil compreensão. Mesmo com tantos nomes "diferentes" a gente consegue entender e inclusive, se emocionar com o desenvolvimento da história.
Eu não conhecia direito a história de Noé, somente o que me contavam quando eu era criança. Mas, após esse filme, eu me senti mais curiosa a ponto de pesquisar sobre, para poder entender, já que é uma das histórias mais polêmicas da Bíblia.

Sobre a questão da religião, acredito que influi um pouco quando você vai assistir. Inclusive por ser uma adaptação de uma história bíblica. Mas, para quem tem curiosidade e/ou não se importa tanto com isso, creio que irá gostar do filme tanto quanto eu e mais muita gente.
O filme é muito bom, principalmente pelos efeitos e eu realmente recomendo.

Aqui segue o trailer para quem estiver interessado: :)




Beijos!

28 de abril de 2014

Tag: Encontre o livro

A TAG foi criada para vlogs, porém vi várias adaptações para blogs, então decidi fazer. É interessante, procurar coisas específicas nos livros, nem sabia que tinha algumas! Mas aí estão:


1- Encontre um livro com a letra Z no título/autor
Um dos meus preferidos, adoro a saga!


2- Encontre um livro clássico


Maaais do que clássico não é? 


3- Encontre um livro com uma chave na capa


Só achei na contra-capa....

4- Encontre alguma coisa na sua estante que não seja um livro
Sim, sou viciada em Legião Urbana! :D

5- Encontre o livro mais velho da sua estante

Não encontrei no livro a data da impressão... Mas tenho certeza que é o mais antigo que tenho, comprei em um sebo em São Paulo.

6- Encontre um livro com uma garota na capa
Mulher? Da na mesma? rs Não sei, mas acho que ta valendo.

7-Encontre um livro que tenha um animal
O pior cão do mundo!


8- Encontre um livro com um protagonista masculino

Augustie, mostrando a beleza da gentileza.

9-Encontre um livro com apenas letras na capa
 Esse foi o mais difícil, quase todos tem ilustrações.



10- Encontre um livro com ilustrações


Essa é uma versão em quadrinhos.


11- Encontre um livro com letras douradas

Saiu meio amarela na foto.... 


12- Encontre um diário (real ou ficção)
Histórias sobre tudo o que ocorre com uma mulher, seus segredos e medos. Muito bom!


13- Encontre um livro escrito por alguém com um nome comum




14- Encontre um livro que tenha um close up

Taxinhas de mapas de John Green.


15- Encontre o livro da sua estante em que a história se passa no período mais remoto

Não sei bem o tempo que passa, é tudo meio imaginário


 16- Encontre um livro Hard Cover sem a jacket

Capa dura sem nada por cima :D


17- Encontre um livro Turquesa

Não sei bem se é turquesa....E a cor saiu meio diferente na foto tbm!

18- Encontre um livro com estrelas na capa
Essa é uma adaptação super viajada, mas eu gostei muito.


19- um livro que não seja Young Adoult






E aí, o que acharam? Já leram algum? querem reproduzir a TAG? Vale super a pena revirar a estante e rever livros que estavam esquecidos!!



27 de abril de 2014

Resenha: A droga da obediência - Pedro Bandeira

Olá tuf-tufs, como estão?
Hoje vim apresentar para vocês um daqueles livros que a escola pede para avaliação. Enfim, todo mundo acha livro de escola um saco, mas é um dos meus livros favoritos!


Titulo: A droga da obediência
Autor (a): Pedro Bandeira
Editora: Moderna
Número de páginas: 188

Gênero: Infanto-juvenil



A droga da obediência, é um dos clássicos que os professores de escola, adoram pedir a leitura para prova, trabalho, seminário, resumo. Enfim! Muitas pessoas, inclusive eu, começaram a ler por obrigação, quando terminaram ficaram encantadas com o que leram. É um livro de suspense, aventura, um livro fascinante, muito leve com o enredo muito intenso. Escrito por um autor maravilhoso, que muita gente deve ter lido pelo menos uma de suas obras, tão boas que considero este livro uma leitura OBRIGATÓRIA, para todos de qualquer tipo de idade e/ou cultura.
Nele conta à história dos Karas, um grupo de quatro amigos, Miguel, Crânio, Calu, Magri, alunos do Colégio Elite, um dos melhores de São Paulo, com o passar do tempo, um menino mais novo, acaba descobrindo tudo sobre os Karas, códigos, esconderijos, jura fidelidade (aquelas que furam até o dedo), que não irá contar para ninguém e estará apto a participar do grupo, o líder do grupo, o Miguel, sempre dava tarefas simples para o Chumbinho, mas não contava com o pequeno integrante fosse sequestrado. Todas as semanas, pelo menos três alunos de cada escola são sequestrados, quando o crime chega ao colégio Elite, claro, os Karas se envolvem... Embarque nessa aventura e descubra a verdadeira identidade do Doutor Q.I e em todas as tramas dessa maravilhosa história!

Classificação:
 


P.S.: Este foi o único livro que eu li e reli com gosto!
P.S.: ² Dificilmente eu vou dar uma classificação menor do que cinco, a maioria dos livros em que eu posto, são os meus favoritos! :)


Já leram este livro? Ou algum outro do autor? Já leram toda a série? Ebaaa! Vamos conversar então, beijos guris <3
26 de abril de 2014

Resenha: Deixe a Neve Cair - John Green, Maureen Johnson e Lauren Myracle

Título: Deixe a Neve Cair
Autores: John Green, Maureen Johnson e Lauren Myracle
Número de páginas: 336
Editora: Rocco
Sinopse no Skoob

Minha opinião: Eu sempre gostei de festas de fim de ano, principalmente o Natal. É a minha data comemorativa preferida, e eu sou aquele tipo de pessoa que acredita na magia de Natal e esse tipo de coisa que dizem em filmes natalinos (e que geralmente terminam com algum milagre quase que milagrosamente impossível), mas isso a gente deixa pra outro post, hahahaha. Convenhamos, eu sei que a resenha está aparentemente bem fora de época, mas terminei o livro quarta-feira e senti que precisava resenhar logo pra vocês porque eu achei tudo muito amor (contos muito amor, histórias muito amor, autores muito amor, eu morrendo de amor por todo mundo haha). Bom, então vamos começar:

O primeiro conto, O Expresso Jubileu, foi escrito por Maureen Johnson e me encantou logo de cara. A única coisa que já cheguei a ler da Maureen Johnson foi um conto dela no livro Zumbis x Unicórnios (que eu inclusive já resenhei no blog, clica aqui pra ler!), e eu achei o conto tão bom que logo tive um mini ataque cardíaco quando vi que ela também fazia parte de Deixe a Neve Cair. Conta a história de Jubileu Dougal (e, como diria a própria: pare um momento para absorver a informação), uma adolescente de 16 anos, membro do time de matemática do colégio e namorada de Noah, que é o tipo de menino idealizado e projetado como "o garoto dos sonhos" por praticamente 99% da população feminina de um colégio. E estava dando tudo certo para Jubileu, até que, em pleno Natal, seus pais acabam atrás das grades (e não vou falar por que pra não dar spoiler, mas acalmem-se porque o motivo é bem engraçado hahaha), e ela vai parar em um trem rumo a casa de seus avós. Mas como nem tudo é mil maravilhas, o trem acaba ficando preso por conta da neve em uma cidade chamada Gracetown e Jubileu precisa arriscar as próprias pernas para andar até uma lanchonete, a Waffle House, e encarar o Natal ao lado de um homem vestído de alumínio e um frio congelante que - pasmem - fazia parte da maior nevasca dos últimos 50 anos. Vocês provavelmente já imaginam como essa história vai terminar, certo?

“Eu nunca tinha estado em um trem antes. Era mais alto do que eu imaginava, com janelas no segundo "andar" que supus serem vagões-leitos. O lado de dentro era pouco iluminado, e a maioria das pessoas entulhadas ali parecia catatônica. Esperei que o trem soltasse fumaça e fizesse tchu-tchu e depois disparasse como um foguete, pois assisti a muitos desenhos durante a minha infância perdida, e era assim que os trens dos desenhos funcionavam. Esse trem deslizou com indiferença, como se tivesse ficado cansado de estar parado.”

Entretanto, por sorte, seu caminho acaba se cruzando com o de Stuart, um rapaz incrivelmente maravilhoso, simpático, gentil... Ok, parei HAHAHA. Stuart faz com que Jubileu reflita sobre as questões de seu relacionamento e da sua vida, e ela, apesar de ter me irritado um pouquinho por não conseguir enxergar a verdade - e tudo bem, porque acho que quando você passa por uma coisa dessas meio que não consegue associar uma coisa com outra mesmo - me deixou mais que feliz com o final da história e com sua volta por cima. A escrita da Maureen é super leve e fluída, e o conto é tão fofo que te deixa com uma série de suspiros após a leitura!

Masss, como no livro tem de tudo, passamos de um conto super meigo a um cheio de aventuras: O Milagre da Torcida de Natal, de John Green. Quem me conhece sabe que tenho uma leve paixão platônica pelo John e li quase todos os livros dele e, mesmo adorando o autor, comecei a leitura meio receosa porque muitas pessoas foram de cara no conto e acabaram se decepcionando. Entretanto, pela minha majestosa alegria, o conto superou todas as minhas expectativas e se tornou o meu queridinho - não tanto como o primeiro conto de Maureen Johnson, mas vamos lá!

Duke, JP e Tobin estavam em plena véspera de natal assistindo uma maratona do James Bond. Antes que vocês fiquem confusos, sim, Duke é uma menina (apesar do nome aparentemente masculino, mas no livro explica exatamente por que o uso desse apelido), e é vista pelos outros 2 meninos como um garoto também. Foi aí no início desse conto que eu percebi que todas as histórias eram interligadas, ou seja, você não precisa desapegar-se totalmente de um personagem de tal conto porque há uma possibilidade de você vê-lo novamente nos próximos - e eu achei isso totalmente empolgante, mas tentarei não mudar de assunto pra ver se consigo terminar essa resenha com menos de 10 parágrafos, hahahaha. Continuando, foi aí que um amigo do trio ligou para uma aparente "emergência": haviam catorze líderes de torcida na Waffle House (sim, a mesma lanchonete da história de Jubileu!), e ele precisava da ajuda dos amigos para entretê-las com um jogo: Twister. Bem, é claro que eles não usaram o fato de naquele exato momento estar ocorrendo a maior nevasca dos 50 anos como argumento e, sem pensar duas vezes, saíram de casa rumo ao que seria a maior aventura de suas vidas.

"– (…) Brittany não entendia que você, tipo, não é uma garota de verdade.
- Se com isso quer dizer que eu não gosto de revistas de celebridades, prefiro comida à anorexia, me recuso a assistir aos programas de TV sobre modelos e odeio a cor rosa, então, sim. Estou orgulhosa de não ser uma garota de verdade.”


Preciso dizer? O conto é superfofo, engraçado e, apesar de ter faltado um pouquinho de romance (já que a história é voltada, basicamente, à tentativa desesperada do trio de amigos de chegar na Waffle House ao meio de toda aquela neve, e ainda mais cedo que outros dois valentões que acabaram atrapalhando um pouquinho todos os seus planos), a descoberta de sentimentos inesperados no fim da história faz com que isso se amenize um pouco (mesmo que não completamente). Enfim, como John Green provavelmente estava bem focado na parte da aventura e também no "saíremos-de-casa-com-uma-das-maiores-nevascas-já-vistas-lá-fora", está totalmente perdoado para que, enfim, comecemos a leitura do último conto: O Santo Padroeiro dos Porcos, de Lauren Myracle.

Addie está passando por um momento difícil. O fim do relacionamento com seu namorado, Jeb, fez com que descontasse tudo no seu cabelo e nas suas amigas, e, por esse motivo, no começo da história ela só fica se lamentando o dia inteiro, relembrando momentos dos dois e toda aquela coisa. Confesso que no início ela me irritou bastante: é aquele tipo de personagem egoísta e egocêntrica, mas que com o passar da história vai tentando mudar isso e ser alguém cada vez melhor. E é principalmente na manhã da pior nevasca dos últimos 50 anos, em que ela é obrigada a estar presente na Starbucks em que trabalha, que todas essas mudanças passam a ocorrer, e o compromisso de pegar um mini porco faz com que reflita sobre seus atos, mas, principalmente, sobre sua própria vida.

— O que fez você dizer "ah, que fofo"? — perguntou Dorrie. 
— Elas disseram que o garoto fez uma dancinha boboca de felicidade depois de beijar a atiradora do telefone e que ele ergueu o punho no ar e gritou "Jubileu!".

Dorrie recuou e fez uma expressão de "tudo bem, isso é esquisito”."

Apesar de ser o conto que eu menos gostei - não que o conto seja ruim nem nada do tipo, mas achei os outros um pouco melhores e mais engraçados HAHAHA -, o final me deixou mais que satisfeita já que é ali, definitivamente, que todas as histórias por fim "passeiam" umas pelas outras. Foi tudo muito engraçado e te deixa tão empolgada na hora que está lendo que não há ninguém melhor senão Lauren para explorar isso tão bem.

Por fim, Deixe a Neve Cair é um livro super leve, cheio de aventuras e de personagens que passam por altos e baixos e dão a volta por cima. Perfeito para os amantes de Natal e, principalmente, pra quem quer garantir umas boas risadas!

Classificação:
25 de abril de 2014

[SUGESTÃO] Canal de DIY's

Olá, pequenos gafanhotos! Quanto tempo! Para ser mais exata: UM MÊS.
É. A escola tem andado muito pesada... É prova que não acaba mais, trabalhos pra enlouquecer qualquer um! Haha'
Hoje eu apareci, porém não vai ser com nenhum DIY meu [coro de lamentação]. Gostaria de recomendar um canal no Youtube excelente e com ideias geniais para vocês. Não sei se conhecem, mas é o canal da Maddu Magalhães. Vale muito a pena dar uma conferida! Deixarei aqui as melhores ideias dela (na minha humilde opinião) para que vocês possam conferir um pouco do trabalho dela... As coisas são de dar inveja!

- Para aquelas pessoas que gostariam de algo divertido e muito útil e decorador de ambientes [DIY MEDIUM],


- Para aqueles que são potterheads e não-potterheads também... Recomendo! Vem iluminar a sua vida com esta ideia [DIY EASY]



- E para aqueles que são um desastre na cozinha (assim como a minha pessoa), arrisco a passar este vídeo: faça você mesmo trufas! Fácil até mesmo para quem queima o miojo, viu? [DIY EASY]



E por hoje é só isso, gafanhotos! Espero que tenham gostado das sugestões e consigam apreciar assim como eu, as ideias de Maddu Magalhães.
Espero voltar no próximo post com tempo livre decente e um DIY meu! Obrigada por tudo e perdoem a minha falta de tempo.
Até a próxima!


21 de abril de 2014

Resenha: O enigma das estrelas - F. T. Farah



Título: O enigma das estrelas
Autor: F. T. Farah
Número de páginas: 160

   Morro do Ferro sempre fora um lugar misterioso, luzes estranhas costumavam assombrar o céu e não havia um morador que não afirmasse ter visto um E.T.. Também pudera, a cidade tinha sido amaldiçoada por um padre que fora queimado em praça pública, e desde então a cidade nunca fora a mesma.
   Jonas, Alfredo, Carola, Carmem e Vicentinho são amigos que sempre se vêem nas férias de julho, e dessa vez o pai de Jonas teve uma ideia que mudaria as férias dos mesmos: um acampamento no topo do Morro dos Anjos.
   Mas o que aconteceria lá marcaria a vida dos cinco amigos para sempre. Jonas fora sequestrado, segundo ele, por seres que eram metade serpente, metade humanos; eram os reptilianos. O garoto escutava constante alguém falando que ele seria “O escolhido”, mas não imaginava para quê.
   “Jonas flutuava em direção à abertura do que parecia uma nave espacial”.
   “O enigma das estrelas” é o primeiro livro da série “Clube dos Mistérios”, do autor nacional F. T. Farah. Confesso que quando recebi o livro da editora fiquei receosa, porque não é um gênero que eu costumo ler, mas encarei o desafio. Fui praticamente levada ao passado, porque o livro me lembrou muito os que eu lia quando era menor, que pegava na biblioteca da escola.
   Parece ser um livro para crianças – aliás, eu até recomendaria para as mesmas, visto que os personagens principais tem 12, 13 anos. Por se tratar de um tema que não acredito, a leitura não foi tão agradável, todavia ela é rápida.
   Senti falta de mais mistério, visto que na sinopse do livro somos convidados a desvendar os mistérios de Morro do Ferro, e creio que o desaparecimento do Jonas foi solucionado rapidamente, sem ter muita emoção.
   Quanto aos personagens, o que mais odiei foi Beto, tio de Jonas. Beto era o único que nunca havia visto nada de sobrenatural em Morro do Ferro, porém, dias antes do sobrinho e dos amigos chegarem, ele havia visto e desde então não dormia à noite. Beto sabia de tudo, e mesmo assim deixou as crianças acamparem, ficou meio bobo em relação a tudo o que ocorreu com ele (irritante, para ser sincera rs). Ah, sem falar na menção estranha do personagem ao falecido Raul Seixas: o mesmo afirmava que Raul era um profeta e escondia segredos nas letras das músicas.
   Não sei se foi por excesso de ceticismo que a leitura não foi tão agradável, mas eu realmente tentei levar na esportiva o livro, porém não dá muito certo quando o autor praticamente tenta te convencer que você está sendo vigiado, haha. Sou do tipo: “Nunca vi, então não existe”.
   Enfim, é uma leitura rápida e agradável, e o autor cita muitas fontes históricas e curiosidades sobre o lugar. Obrigada Geração Editorial por disponibilizar o livro!

Quote:

“ – Fujam daqui! Esta cidade é maldita... Eles nos vigiam... Aqueles demônios! Não adianta trancarem os portões, nem as portas, nem as janelas. Eles nos levam pro inferno, eles espetam nosso corpo...” (Rui, personagem que afirmava ter sido levado por extraterrestres).

Veja o Booktrailer!




20 de abril de 2014

Resenha: Fala sério, professor! - Thalita Rebouças

Olá galerinhaaa, alguém me ajuda a descrever essa série? Socorro..

Titulo: Fala sério, professor!
Autor(a): Thalita Rebouças
Editora: Rocco
Páginas: 186
Gênero: Infanto-juvenil

Esse foi o primeiro livro que eu li dessa série e dessa autora, no começo eu comprei porque ouvi alguns comentários falando muito bem, só que eu não estava muito afim. Só que o livro é tão bom, que me fez se sentir a Malu (calma dona Ângela Cristina, Maria de Lourdes!). Nele conta todas os professores da vida de Malu, desde sua infância até os dias de hoje e mostra o quanto devemos valorizar o profissional dessa área, seja ele o do colégio, o da academia, o do curso de inglês, espanhol, francês, o de shiatsu, o de teatro, o particular, os gatões, o durão, os amigos, os doidos, os chatos, os que não ria, o que não perdoava cola.. 
Aos 22 anos, quando Malu, ou melhor, Maria de Lourdes, que já mora (quase sozinha), apenas com suas amigas, a Helô e a Benê, que fazem seu microlar uma bagunça total, relembra o passado escolar, que faz ela voltar no tempo e reviver essa história com mais detalhes. 

M-A-R-A-V-I-L-H-O-S-O!
Este livro dá aumenta seu astral, com as divertidas histórias que a Malu já viveu, ele é bem pequeno, conta apenas com 186 páginas, que simplesmente voam por ser uma leitura leve, super-recomendo, mesmo você sendo homem ou mulher, da melhor idade ou novinho, alto ou baixo, quem sabe você não se encaixa com alguma das crônicas de Malu e relembra seu passado também! 
Como diz na sinopse, divirta-se!

Classificação:


Já leram algo desta série? Ou melhor da Thalita Rebouças? Já leram este livro? Se sim, comenta.. se tiverem indicações de livros, comenta também, beijos. Feliz páscoa para todos
19 de abril de 2014

Resenha: Clarices - Luciana Bollina

Título: Clarices
Autora: Luciana Bollina
Número de páginas: 144
Editora: Philae
Sinopse no Skoob

Minha opinião: Clarice é uma jovem intensa. Artista plástica, solteira, que gosta de expressar suas emoções em suas pinturas e que, em uma visita a uma locadora, conhece o trabalho de Gabriel, um poeta que lhe aborda no meio da rua. Eles conversam rapidamente e saem assim, sem saber direito um do outro, mas o suficiente para que a jovem ficasse intrigada com o fato e pensasse em Gabriel mesmo depois de dias. Não demorou muito para que ela percebesse que o propósito de vida dos dois, tão parecido, e o significado que encontravam ora nas poesias de Gabriel, ora nas pinturas de Clarice, fora o que fez com que eles se conectassem de um jeito diferente e especial. Existiam as diferenças, mas existiam as semelhanças. E elas os faziam particularmente únicos.

Dias mais tarde seus destinos se cruzaram novamente, e quanto mais se viam, mais se interessavam um pelo outro. Mesmo não tendo muita certeza se Gabriel era solteiro (quando vocês lerem o livro vão entender), Clarice foi deixando-se levar, e em meio a uma atmosfera totalmente poética, uma irmã adolescente que está passando por alguns problemas e uma amiga/admiradora que inspirou-se em Clarice para libertar seus sentimentos através de pinturas, "Clarices" termina de uma forma extremamente encantadora.

É uma leitura bem poética e complexa, e precisei parar de ler em alguns momentos e refletir sobre o que fora dito para assim então prosseguir, hahaha. Isso atrapalhou um pouquinho a minha leitura, mas como vai de leitor pra leitor, vocês vão precisar ler para aí tirarem suas próprias conclusões!

"Ela estava seduzida por sua verdade e seu amor, visível em sua expressão. Mas tinha um ponto de interrogação no meio da testa e uma babel de pensamentos tagarelantes em sua boca, disposta a argumentar sem saber por onde começar."

P.S: Pra quem estiver interessado, a autora tem um blog onde reúne seus textos, poesias, crônicas e contos. Acho que vocês deveriam dar uma conferida, viu! É o Bollina Destin. Eu particularmente achei o blog super inspirador e com certeza vou acompanhar, e vocês?

Quem já conhecia o trabalho da Lu e/ou já leu o livro? Deixem suas opiniões nos comentários!

Classificação: