Sobre nós

Curta!

Seguidores

Twitter

Siga por e-mail

Siga!

Eu leio Brasil

Pai bárbaro

Loja do leitor

Meise está lendo

Isadora está lendo

Favoritos de Meise

Favoritos de Isadora

Tecnologia do Blogger.

Link us

Viciadas em Livros

Arquivo do blog

25 de dezembro de 2015

Playlist de Verão

Uma coisa é fato: eu não suporto o verão.
Tudo nele me irrita.
Só não o fato de que eu sempre estou de férias, viajando ou tranquila em casa durante dois meses da estação mais grudenta.
Justamente por isso - dias felizes e toda essa coisa, as músicas que eu escuto durante o verão SEMPRE me marcam muito, e não tem jeito, toda a vez que eu escutá-las, lembrarei com saudades daquele verão.
Abro o meu coração, então, e conto para vocês as músicas que já marcaram meus verões e que eu faço questão de incluir na minha playlist toda a vez que as temperaturas sobem demais e eu já posso ficar acordada a madrugada inteira.
Desconsiderem, então, músicas que nada se parecem com músicas de verão, porque o intuito está mais no sentimento do que na melodia/letra.
Espero que gostem e um feliz finalzin de Natal!


Safe and Sound - Capital Cities


Depois da Meia Noite - Capital Inicial



Stop and Erase - Selena Gomez & The Scene




Wildest Dreams - Taylor Swift



Red - Taylor Swift



P.S: Ela representa TODAS as músicas do RED, porque eu até sinto uma lágrima surgir com as memórias que essas músicas me trazem.

Animal - Neon Trees



Beauty and a Beat - Justin Bieber



Stubborn Love - The Lumineers



Drive - Oh Wonder



Talking Body - Love To



Red Lights - Tiesto


Hey There Delilah - Plain White T's

We'll be Coming Back - Calvin Harris


11 de dezembro de 2015

Wishlist de quem não aproveitou nada na Black Friday

Quem estava completamente pobre na Black Friday?
Quem ficou morrendo de vontade de comprar livros?
Quem vai gastar todo o dinheiro que ganhar no Natal com livros?
Pois é.
E aqui vai a minha Wishlist - quem sabe esses livros não voltam para cá em um Book Haul?

Toda Luz que não Podemos Ver - Anthony Doerr



Marie-Laure vive em Paris, perto do Museu de História Natural, onde seu pai é o chaveiro responsável por cuidar de milhares de fechaduras. Quando a menina fica cega, aos seis anos, o pai constrói uma maquete em miniatura do bairro onde moram para que ela seja capaz de memorizar os caminhos. Na ocupação nazista em Paris, pai e filha fogem para a cidade de Saint-Malo e levam consigo o que talvez seja o mais valioso tesouro do museu. 
Em uma região de minas na Alemanha, o órfão Werner cresce com a irmã mais nova, encantado pelo rádio que certo dia encontram em uma pilha de lixo. Com a prática, acaba se tornando especialista no aparelho, talento que lhe vale uma vaga em uma escola nazista e, logo depois, uma missão especial: descobrir a fonte das transmissões de rádio responsáveis pela chegada dos Aliados na Normandia. Cada vez mais consciente dos custos humanos de seu trabalho, o rapaz é enviado então para Saint-Malo, onde seu caminho cruza o de Marie-Laure, enquanto ambos tentam sobreviver à Segunda Guerra Mundial.


Por Lugares Incríveis - Jennifer Niven


Violet Markey tinha uma vida perfeita, mas todos os seus planos deixam de fazer sentido quando ela e a irmã sofrem um acidente de carro e apenas Violet sobrevive. Sentindo-se culpada pelo que aconteceu, a garota se afasta de todos e tenta descobrir como seguir em frente. Theodore Finch é o esquisito da escola, perseguido pelos valentões e obrigado a lidar com longos períodos de depressão, o pai violento e a apatia do resto da família.
Enquanto Violet conta os dias para o fim das aulas, quando poderá ir embora da cidadezinha onde mora, Finch pesquisa diferentes métodos de suicídio e imagina se conseguiria levar algum deles adiante. Em uma dessas tentativas, ele vai parar no alto da torre da escola e, para sua surpresa, encontra Violet, também prestes a pular. Um ajuda o outro a sair dali, e essa dupla improvável se une para fazer um trabalho de geografia: visitar os lugares incríveis do estado onde moram. Nessas andanças, Finch encontra em Violet alguém com quem finalmente pode ser ele mesmo, e a garota para de contar os dias e passa a vivê-los.


Blackbird - Anna Carey


Uma garota acorda nos trilhos do metrô de Los Angeles sem lembrar quem é. Há uma mochila a seus pés contendo uma troca de roupas, mil dólares em espécie, um número de telefone e a instrução “Não ligue para a polícia” Perguntas rodopiam em sua cabeça: Quem é ela? Como chegou ali? O que ela fez? O que significa a tatuagem de um pássaro e o código FNV02198 em seu pulso? Ela mal tem tempo para descobrir sua identidade, e logo percebe que está sendo caçada. Precisa fugir desesperadamente. Não sabe quem são eles, não sabe em quem confiar. Só há uma coisa que sabe com certeza: estão tentando matá-la.

Amor Amargo - Jennifer Brown


Último ano do colégio: a formatura da estudiosa Alex se aproxima, assim como a promessa feita com seus dois melhores amigos, Bethany e Zach, de viajarem até o Colorado, local para onde sua mãe estava indo quando morreu em um acidente. O Dia da Viagem se torna cada vez mais próximo, e tudo corre conforme o planejado. Até Cole aparecer. Encantador, divertido, sensível, um astro dos esportes. Alex parece não acreditar que o garoto está ali, querendo se aproximar dela. Quando os dois iniciam um relacionamento, tudo parece caminhar às mil maravilhas, até que ela começa a conhecê-lo de verdade…

O Livro dos Mil Dias - Shannon Hale


Lady Saren ficará sete anos trancada em uma torre. O castigo, imposto por seu pai, é uma resposta à sua recusa de casar-se com o noivo escolhido pela família. Mas seu isolamento não será total, uma vez que Dashti, sua fiel criada, voluntariamente se fará prisioneira para servi-la e fazer-lhe companhia. O silêncio voluntário e as lágrimas constantes de Lady Saren tornam-se parte da dinâmica monótona dos dias. As únicas companhias verdadeiras da miserável criada são o gatinho Meu Senhor e as páginas de um diário. Com a chegada de dois pretendentes da nobre, um deles muito bem-vindo enquanto o outro nem tanto, as garotas serão confrontadas com a esperança e o medo.

Olho por Olho - Jenny Han e Siobhan Vivian



Alguma vez você já quis realmente se vingar de alguém que a ofendeu? Talvez uma ex-amiga que a apunhalou pelas costas, ou um namorado traidor, ou um estúpido da escola que a humilhou desde que você era pequena... Alguma vez você já sonhou em envergonhá-lo na frente de todos? E, então, alguma vez você se uniu com outras duas pessoas para criar um elaborado esquema de destruição e revanche? A maior parte de nós não pode dizer que sim a todas essas perguntas (felizmente). Mas, certamente, todos nós somos capazes de nos identificar com muitos dos sentimentos de Kat, Lillia e Mary em Olho por Olho...
No entanto, de um exercício de malícia, de uma simples brincadeira adolescente, o jogo do “aqui se faz, aqui se paga” poderá assumir proporções trágicas, em que até mesmo as leis da natureza vão se dispor, misteriosamente, a acalmar os corações ofendidos.


Imagens e Sinopses: Livraria Saraiva

Tag: Natal Literário

Oi pessoas!
Vi essa TAG no blog: Que tal, Carol?  achei muito legal e decidi fazer aqui também!
Espero que gostem :)

1) Cite um livro natalino


Esse foi o único que eu li com o tema.

2) Cite um filme natalino que você acha que daria um ótimo livro



3) Cite um livro que não é de natal, mas que você acha que tem um clima natalino


Tem todo um clima de renovação, fé, busca por melhorias... Muito fim de ano.


4) Cite um livro que é muito importante pra você, ao ponto de colocá-lo no lugar da estrela da árvore de natal.


Vocês estão cansadas de saber hahah esse é meu livro preferido!


5) Categorize personagens literários para os seguintes cargos natalinos:
 
Papai Noel: Receptivo, amoroso, que tem um coração gigante. Um personagem muito significativo


Peeta! O personagem mais tocante de Jogos Vorazes. Ele ama Katniss, faz de tudo por ela. E depois é telesequestrado e os papéis se invertem... E mesmo com tantas dúvidas, ele continua amoroso.


Renas: Personagem que sempre ajuda o principal, prestativo.


Vamos combinar, Harry não teria passado da Pedra Filosofal sem ela! hahaha


Boneco de neve: Um personagem familiar, muito apegado as pessoas em volta, que simbolize 
união.




Árvore: um personagem chamativo e belo. Que todos param para olhar


Richard Parker, o tigre de As Aventuras de Pi. Tem todo um simbolismo de esperança e busca por sobrevivência atrás desse personagem. Tanto no livro quanto no filme, é muito bem retratado. 


6) Cite um personagem nada natalino.


A rainha de copas, do livro: Alice no País das Maravilhas.
Apesar do cabelo vermelho...nada natalina! hahaha






9 de dezembro de 2015

Livro de colorir para adultos

Última moda dos últimos meses e considerado um livro anti-stress, os livros de colorir para adultos viraram uma tremenda febre.... e sim, eu cai nessa!
Floresta encantada, Jardim Secreto, e inúmeras variações de mandalas, animais e recentemente Harry Potter, esses livros ganharam um público muito grande.
Mas não se iluda, os desenhos são nível hard, e confesso que não me acalmou em nada hahahah
Quem teve a brilhante ideia de fazer desenhos tão detalhados para colorir? Pior, quem achou que isso acalma alguém?  hahahahah
Me irritei logo no primeiro desenho, sou péssima, mas juro que tentei! Levei duas horas pra pintar:
Não riam de mim, não tenho o dom artistico!

Mas eu fico impressionada com alguns desenhos que vejo por aí.... É absolutamente incrível!
Confesso, pego só de vez em quando, mas raramente mesmo! hahaha
Tanto que só pintei duas páginas, e já comprei há 6 meses ! haushaushausha


É bom pra passar as horas... São desenhos detalhistas e levam tempo para serem preenchidos, eu tento! rs

Mas e você?
Já tem o seu?
Acalmou ou só estressou mais?
Conta aí :)



 
27 de novembro de 2015

A Cidade e as Serras - Eça de Queiroz (e por que todos nós deveríamos lê-lo)

Tudo bem, vocês já sabem que eu estou em ano de vestibular e por isso tive que ler vários livros da literatura obrigatória. Dentre eles, o último que terminei de ler foi A Cidade e as Serras, do Eça de Queiroz, grande representante do Realismo Português - com certeza vocês ao menos já ouviram falar em O Primo Basílio e O Crime do Padre Amaro.
De início não fiquei muito animada com o livro - Viagens na Minha Terra quase me fez cometer suicídio. Mas depois de ler algumas dezenas de páginas, fiquei bem animada com a premissa e a linguagem do livro!



Em A Cidade e as Serras conhecemos a história de Jacinto por meio da narração de seu amigo José Fernandes, isso lá no fim do século XIX. Jacinto, descendente de portugueses e natural de Paris, vive em meio a civilização em sua mansão na Champs Elisées, rodeado de invenções revolucionárias as quais o protagonista não poderia viver sem. A aura frenética da cidade, a ostentação em sua biblioteca com um número de volumes que ultrapassa os milhares e tudo o que a tecnologia pode proporcionar parecem ser a base da vida de Jacinto.
Zé Fernandes, por sua vez, é português e admirador convicto da vida simples do campo. Os dois se conheceram na faculdade e, depois de Zé voltar para Portugal, resolve passar algum tempo de férias com seu amigo em Paris. Mas, para sua surpresa, encontra um Jacinto sem o brilho nos olhos, de certo carrancudo, desanimado e com ares depressivos. 
Toda a primeira parte da história gira em torno da civilização a qual molda a vida de Jacinto e o quanto a vida lotada de tecnologia, mais informações do que ele pode realmente aproveitar e relacionamentos superficiais pode soar glamourosa para quem olha de longe, mas apenas fez mal para a vida do protagonista.
Coincidentemente, uma propriedade de Jacinto em Tormes, Portugal, desaba e o mesmo organiza reformas no local e ruma para lá junto com o amigo, sem contar todos os seus preciosos telégrafos, banheiras e garrafas de água mineral, que ele manda para a pequena cidade do interior de Portugal também.
De início, Jacinto se desespera ao descobrir que a reforma ainda não fora concluída e que todo o seu carregamento de Paris também não chegara até Tormes. Porém, as estrelas avistadas da janela o deixam estupefato. 
Aos poucos, Jacinto passa a reconhecer as belezas e a tranquilidade da Serra, longe da civilização e de seus aparatos, muitas vezes, inúteis e responsáveis por causar o famoso efeito blasé em todos nós. 
Todos nós, sim, porque A Cidade e as Serras não poderia ser mais atual.
O efeito blasé de George Simmel faz de nós indiferentes, apáticos e reduz boa parte de nossa humanidade aos movimentos robóticos, tudo isso devido ao excesso de informação e tecnologia os quais rodeiam nossas vidas 24 horas por dia. 
Eça de Queiroz trabalha muito bem a faceta urbana do mundo, que reverencia a tecnologia a todo custo mas é incapaz de admirar um pôr-do-Sol sem toda a poluição que, ironicamente, deixa o céu com cores lindas mas, ao mesmo tempo, destrói a beleza natural do fim do dia. Essas grandes cidades que, correndo contra o tempo, se esquecem das flores que colorem as ruas durante a Primavera, e até mesmo as confundem com sujeira.
Enfim, Jacinto consegue se recuperar e equilibra feitos importantes da tecnologia, que melhoram nossas vidas e até facilitam as mesmas, com a paz e a tranquilidade do interior. A instalação de telefones nas casas, por exemplo, é algo que encurta as distâncias entre Jacinto e seus amigos, mas nem mesmo ele seria louco de distribuir maquinários para apertar espartilhos nas casas interior a fora.
Por que, então, nós não poderíamos nos dispor a fazer o mesmo? Tirar os olhos do celular para ver como o dia está lindo sem nuvens? Ou procurar por estrelas no céu de madrugada? E também, por que não aliar a tecnologia à observação e usar um aplicativo de identificação de estrelas para deixar tudo mais divertido?
Sempre me pergunto como esse novo estilo de vida está errado e caminha para uma desumanização bizarra da sociedade, onde o lugar físico passa a ser apenas um plano de fundo inútil que poderia ser substituído por qualquer outro e, mesmo assim, ninguém perceberia. Talvez, apenas, se o barulho dos carros cessasse, o ar se tornasse algo não causador de câncer e o céu, este salpicado de estrelas como o rosto da pessoa mais sardenta do mundo.
Ainda dá tempo de mudar tudo isso.
Está disposto a isso?

14 de novembro de 2015

Onde estamos sempre errando?

É difícil pensar em escrever algo divertido, interessante ou ao menos legal e leve quando a sua mente só decodifica neurotransmissores responsáveis por palavras pesadas, tristes e angustiantes.
É ainda mais difícil focar em alguma coisa que não seja o lugar onde minha mente está agora: do outro lado do oceano.
Eu contei aqui tudo sobre o meu intercâmbio. Tudo sobre o mês em que morei em Paris. Mostrei minha admiração e paixão pela cidade, pela cultura francesa, pelo idioma e por cada simples detalhe que deixam marcas na sua pele para sempre.
No começo do ano, um choque. 
Agora, outro.
Eu não consigo deixar de pensar que o 11th arrondissement foi a minha casa por um mês, que eu conheço cada rua e avenida daquele bairro e que hoje, ele foi virado ao avesso. 
Eu não consigo deixar de pensar nos meus amigos parisienses. Muitos deles já deixaram claro em redes sociais que estão bem, mas não foram todos. E aqueles cujo contato eu perdi? Um arrepio percorre o meu braço. E os funcionários da residência onde morei? Os cozinheiros, faxineiros, recepcionistas? 
Eu não sei.
Mal consigo pensar em palavras para continuar esse texto.
A verdade que mais ata nós em minha garganta é que essa não chega nem perto de ser a ponta do iceberg. Atentados acontecem todos os dias, em todos os lugares. Dizimam vidas, sonhos, culturas e lares. Lares, sim, porque uma cidade não é apenas a sua residência. Ela é o seu lar. Você cria laços com ela. A conhece. Ela te conhece também. E no fim, mesmo que em uma relação de amor e ódio, você se sente parte dela. Porque ela é sua. 
E então, quando eu vejo uma partezinha pequenininha do que foi o meu lar de pernas para o ar, com sirenes de emergência tocando, corpos cobertos sobre as calçadas e a incerteza do que vai resultar isso tudo, uma outra partezinha do meu coração despedaça. 
E é então que, finalmente, eu não quero imaginar a vida de tantos e tantos que, em meio a guerras civis, seja na África ou no Oriente Médio, assistem seus lares se reduzirem a destroços. Lembro da Síria, dos refugiados com quem cruzei outro dia, que foram forçados a arrancar raízes porque um prédio foi derrubado e levou consigo todas as árvores ao redor. 
Lembro das cidades nigerianas tomadas pelo Boko Haram. Do estado de alerta com o qual vivem os moradores de Israel e da Palestina. Dos somalianos que vivem em um país sem governo. Dos confrontos entre Rússia e Ucrânia. Dos curdos. 
Alguns lutando para conseguir seus lares, outros segurando as lágrimas enquanto o céu vira asfalto e as mãos estão atadas. 
É assustador. Os jornais são. As aulas de geopolítica também. Mas, mais assustador do que isso tudo, é assustador perceber que tudo sempre foi assim. Baseando-se em egoísmos, vaidades, metafísica, rumores e mentiras, o ser humano sempre conseguiu mudar o azul dos oceanos para o mais vibrante tom de vermelho. 
Onde sempre erramos? Onde estamos sempre errando? O quão difícil é enxergar o próximo como um ser humano assim como você?
Eu não sei.
E nem quero chegar a algum lugar com esse texto.
Foi mais um desabafo, um lugar para deixar minhas lágrimas e esse terrível sentimento de impotência. Algumas palavras para registrar o quão angustiante é ver um lugar do qual eu sempre lembrarei com o mais doce dos sabores da nostalgia vivendo algumas horas de caos. Que não vão desaparecer.
Elas nunca desaparecem.
30 de outubro de 2015

Livros para esse fim de semana de Halloween!

Oi gente, tudo bem com vocês?

Amanhã é Halloween e eu sei que muita gente AMA entrar de cabeça no espírito da data comemorativa, inclusive assistindo a filmes e séries e lendo livros do assunto. Então, separei alguns livros que eu já li que, de uma forma ou de outra, se encaixar nessa atmosfera mais macabra do Dia das Bruxas.

#1 - O Círculo Secreto - A Iniciação



"A história começa quando Cassie se muda da Califórnia para New Salem, depois de passar as férias em Cape Cod, e começa a se sentir estranhamente atraída pelo grupo de jovens que domina sua nova escola. Cassie logo é iniciada no Círculo Secreto, uma irmandade de bruxas que controla a cidade há séculos, numa aventura ao mesmo tempo fascinante e mortal. Ao se apaixonar pelo sombrio Adam, será preciso escolher entre resistir à tentação ou lutar contra forças obscuras para conseguir o que deseja – mesmo que um simples passo em falso possa significar a sua destruição."

#2 - Formaturas Infernais



"Nessa emocionante coleção de contos de terror, as autoras bestseller Meg Cabot (O Diário da Princesa), Stephanie Meyer (Twilight), Kim Harrison, Michele Faffe e Lauren Myracle se reuniram para mostrar que a formatura pode ser um evento muito mais aterrorizante do que se pensa. Problemas no guarda-roupa e um par que dança mal não são nada comparados a descobrir que vocês está dançando com a Morte – e que ela não está aqui para elogiar seu vestido.
De problemas com vampiros até uma batalha entre anjos e demônios, estas cinco histórias vão divertir mais do que qualquer DJ em um terno brega. Nada de limusine ou vestido de gala: só uma grande dose de assustadora diversão"


#3 - Fallen



"Algo parece estranhamente familiar em relação a Daniel Grigori. Solitário e enigmático, ele chama a atenção de Luce logo no seu primeiro dia de aula no reformatório. A mudança de escola foi difícil para a jovem, mas encontrar Daniel parece aliviar o peso das sombras que atormentam seu passado: um incêndio misterioso - que provocou a morte de seu namorado - levou Luce até ali. Irremediavelmente atraída por Daniel, ela quer descobrir qual é o segredo que ele precisa tanto esconder— uma verdade que poderia matá-la. Algo que, em suas vidas passadas, Daniel não conseguiu evitar. Excitante, sombrio e romântico Fallen é, ao mesmo tempo, um thriller vigoroso e uma inesquecível história de amor."


#4 - Amada Imortal



"Primeiro livro da bem-sucedida trilogia, mistura fantasia sobre imortais a uma história moderna de uma jovem em busca de si mesma e de redenção. Questões de identidade e moralidade aparecem na trama, protagonizada pela imortal Nastasya. Nascida em 1551, acostumada a beber e sair para baladas cada vez mais loucas, ela perdeu o rumo. Suas conexões com outros imortais, interessados apenas em suas habilidades mágicas, a fazem partir em busca de um propósito. E o encontra em uma espécie de clínica de reabilitação para os de sua espécie, onde conhece um pouco mais sobre o próprio passado e cria importantes laços para o futuro"

#5 - A Linhagem




"Londres do século XVIII. A capital da Inglaterra era um dos mais importantes centros do mundo. Vestidos pomposos, elegância e boas maneiras. Um tempo onde as posses e a reputação regiam a sociedade.
A igreja possuía poder absoluto e condenava aqueles os quais pesava a suspeita de bruxaria – a arte oculta temida e repudiada pelo senso comum.
Nesse cenário intimidador, surge uma mulher especial, com dons inimagináveis. E um destino grandioso..."



É isso, espero que tenham gostado e Happy Halloween, folks!


Sinopses: Livraria Saraiva
16 de outubro de 2015

Os esquecidos do meu Skoob

Eu tenho uma relação de amor e ódio bem turbulenta com o Skoob. Amo poder organizar minhas leituras, conhecer livros e autores novos e ainda participar de sorteios. Mas eu conheço muitos livros. E muitos ficam lá, nas abas "quero ler" e "desejados" até a eternidade!
Por isso resolvi listar os 05 livros que eu MAIS quero ler, porém, continuam acumulando pó nas listas do Skoob.

#1 - Sorte ou Azar? - Meg Cabot



"A falta de sorte parece perseguir Jinx onde quer que ela vá — e por isso ela está tão animada com a mudança para a casa dos tios, em Nova York. Talvez, do outro lado do país, Jinx consiga finalmente se livrar da má sorte. Ou, pelo menos, escape da confusão que provocou em sua pequena cidade natal. Mas logo ela percebe que não é apenas da má sorte que está fugindo. É de algo muito mais sinistro... Será que sua falta de sorte é, na verdade, um dom, e a profecia sob a qual ela viveu desde o dia que nasceu é a única coisa que poderá salvá-la."

#2 - Pequena Abelha - Chris Cleave



"Essa é a história de duas mulheres cujas vidas se chocam num dia fatídico. Então, uma delas precisa tomar uma decisão terrível, daquelas que, esperamos, você nunca tenha de enfrentar. Dois anos mais tarde, elas se reencontram. E tudo começa… Depois de ler esse livro, você vai querer comentá-lo com seus amigos. Quando o fizer, por favor, não lhes diga o que acontece. O encanto está sobretudo na maneira como essa narrativa se desenrola."

#3 - Laranja Mecânica - Anthony Burgess



"Narrada pelo protagonista, o adolescente Alex, esta brilhante e perturbadora história cria uma sociedade futurista em que a violência atinge proporções gigantescas e provoca uma reposta igualmente agressiva de um governo totalitário. A estranha linguagem utilizada por Alex - soberbamente engendrada pelo autor - empresta uma dimensão quase lírica ao texto. Ao lado de '1984', de George Orwell, e 'Admirável Mundo Novo', de Aldous Huxley, 'Laranja Mecânica' é um dos ícones literários da alienação pós-industrial que caracterizou o século XX. Adaptado com maestria para o cinema em 1972 por Stanley Kubrick, é uma obra marcante: depois da sua leitura, você jamais será o mesmo."

#4 - Os 13 Porquês -  Jay Asher



"Ao voltar da escola, Clay Jensen encontra na porta de casa um misterioso pacote com seu nome. Dentro, ele descobre várias fitas cassetes. O garoto ouve as gravações e se dá conta de que elas foram feitas por Hannah Baker - uma colega de classe e antiga paquera -, que cometeu suicídio duas semanas atrás. Nas fitas, Hannah explica que existem treze motivos que a levaram à decisão de se matar. Clay é um desses motivos. Agora ele precisa ouvir tudo até o fim para descobrir como contribuiu para esse trágico acontecimento."

#5 - Ladrões de Elite - Ally Carter



"Quando tinha 5 anos, Katarina Bishop distraiu os guardas da Torre de Londres para que o pai pudesse roubá-la. Aos 7, ela ouviu o tio Eddie planejar a interceptação de 80% do caviar do planeta. Quando fez 15 anos, Katarina armou um golpe por conta própria – um esquema para entrar no melhor colégio interno dos Estados Unidos e deixar para trás os negócios da família. Só que trocar de “ramo” e ter uma vida normal acabou sendo mais difícil do que Kat esperava.

Hale, seu amigo charmoso, bilionário e antigo comparsa, logo aparece para levá-la de volta à realidade da qual ela havia se esforçado tanto para fugir. Mas é por um bom motivo: uma inestimável coleção de arte de um temido mafioso foi roubada e ele quer recuperá-la, custe o que custar. Somente um mestre do crime poderia ter realizado essa proeza e o pai de Kat é o único suspeito, embora insista em negar qualquer envolvimento. Encurralado entre a Interpol e um inimigo assustador, ele precisa da ajuda da filha.

Para Kat, só existe uma saída: encontrar os quadros e roubá-los de volta. Não importa se parece impossível, se ela não tem pistas do ladrão e se o prazo é de apenas duas semanas. Com uma equipe de adolescentes talentosos e uma mãozinha da sorte, Kat está deter- minada a realizar o maior golpe da história da família e provar que jamais a abandonou.

Ladrões de elite é uma história envolvente, cheia de ação, suspense, romance e humor. Esta aventura de tirar o fôlego leva o leitor a vários lugares do mundo e apresenta cenários deslumbrantes, personagens excêntricos e mais reviravoltas que Onze homens e um segredo. O mundo do crime nunca pareceu tão sofisticado, atraente e divertido."


---

E vocês, também acumulam muitos livros no Skoob???


Sinopses: Livraria Saraiva

2 de outubro de 2015

TAG Eu Amo Viajar | Wandeslust Tag

Oi gente, tudo bem? 
Sou louca para responder esta tag já há algum tempo, então...

1- Qual o seu carimbo do passaporte mais queridinho?

O de Roma! Tudo bem, eu não tenho muitos carimbos no passaporte, mas a minha primeira viagem internacional - e também de avião, foi para Paris, mas como fiz conexão em Roma, a imigração foi por lá mesmo. Paris era a cidade que eu mais sonhava em conhecer desde muuuito pequena, então não poderia ser nenhum outro.

2- Você sabe de cor o número do seu passaporte?


Nope! Sempre decoro no processo de compra de passagens e tal, mas logo esqueço hahahaha.

3- Qual é o seu método preferido de viajar (avião, carro, trem)?

Nunca viajei de trem, tenho uma relação bem agridoce com o carro - amo as paisagens, por exemplo, mas não tenho muita paciência e, enfim, fico com o avião pela praticidade mesmo - e porque aeroportos são os melhores lugares do mundo <3

4- 3 itens essenciais pra viagem.

Câmera fotográfica, um sapato confortável e um mapa - seja físico ou no celular, mas é indispensável para mim.

5- Hostel ou hotel?

Nunca fiquei em um hostel, por mais que morra de vontade, então sou obrigada a ficar com o hotel.

6- Você gosta de repetir os lugares que já visitou, ou prefere explorar novos lugares?

Novos lugares SEMPRE! Tudo bem, eu tenho lugares que eu já visitei na minha lista de futuras viagens por inúmeros motivos, mas eles nunca ficarão acima de lugares novos. A possibilidade do desconhecido me encanta demais para ser substituída.

7- Você pesquisa sobre os futuros destinos ou não?

Viro praticamente uma expert, baby! Minha mãe me chama de nativa todas as vezes que viajamos porque sim, eu decoro a geografia da cidade, a divisão dos bairros, as ruas e avenidas principais, sei da história de cada ponto turístico, sei as linhas de ônibus e de metrô e a política de gorjetas do lugar! Pesquisar sobre o destino é essencial para mim, já que acredito que para aproveitar o máximo de um lugar, é preciso não se perder, hahaha, ter em mente o básico do que você quer fazer e saber o que você está conhecendo. Qual a graça de conhecer a Notre Dame sem saber quantos anos ela demorou para ser construída? 

8- Site de viagem preferido?

Tenho um blog de viagem favorito - o Dri Everywhere, e também entro muito no Decolar, para cotar passagens, e no Booking, para reservar hotéis.

9- Qual lugar você recomendaria que seu amigo visitasse? Diga a cidade e o porque?

Buenos Aires é cosmopolita, tem de tudo um pouco e possivelmente agrada a todas as personalidades. Além disso, é uma cidade bem diferente aqui do nosso lado.

10- Você está partindo amanhã, dinheiro não é problema. Onde você gostaria de ir?

Iria para a Tanzânia! Sou doida para conhecer o país - e escalar o Kilimanjaro, com certeza!


É isso, gente, espero que tenham gostado, beijos!


27 de setembro de 2015

Abandonaaaaaaado por você (8)

Quem nunca começou a ler um livro e abandonou?
Eu já abandonei inúmeros... alguns voltei a ler depois, mas uns ainda estão la "abandonados" na estante...
Não sei com vocês, mas eu tenho que me apaixonar pelo livro para ler. Só que muitas vezes compro e desencanto rs' e depois de algum tempo vejo ele lá na estante e me interesso de novo!
Já julguei vários livros pela capa e me surpreendi depois que comecei a ler!
Então vamos ao TOP 5 dos livros que abandonei

1) 50 tons de cinza


Não gostei do livro... Não é pelo assunto, mas sim pela linguagem. Achei muito repetitivo e a linguagem realmente me incomodou. Li só metade e parei. Acho que não vou terminar.


2) Toda luz que não podemos ver


Li um pouco mais da metade, mais me entediei um pouco, então parei de ler. A história é boa, o enredo é bem feito e os personagens são bem trabalhados. Talvez eu termine de ler.


3) Carta de Amor aos mortos


Não gostei do estilo do livro, essa história de escrever para gente morta, sei lá!. Li os primeiros capítulos e como não gostei, já troquei pelo Skoob.


4) O menino da mala


Li o primeiro capítulo e não lembro por que abandonei! hahaha

5) Morte súbita


Entediante demais pra mim! Li os três ou quatro capítulos, achei a leitura pesada, e não fiquei com vontade de terminar.


Mas para provar que alguns têm uma segunda chance, vou falar de Melancia:


Eu ganhei há alguns anos de aniversário... Comecei a ler, mas achei a história meio triste e parei. Um tempo depois retomei a leitura e devorei o livro em dias. A história de uma mulher que é traída, passa por uma fase toda depressiva, se sente gorda como uma melancia, e que consegue dar a volta por cima e se valorizar...

Eu acho que tudo o que nós lemos depende muito do nosso estado de espírito, sério! Ás vezes no identificamos com algum livro e depois mudamos de opinião, ou contrário... Mas eu acredito que devemos tentar ler todo o tipo de livro, com todo o tipo de história, se você abandonar, tudo bem!
Se não abandonar, descobre mais uma paixão !





20 de setembro de 2015

Minhas coleções, Parte 2

Continuando ao post da semana passada (confira AQUI ) vou mostrar mais um pouquinho dos livro que estão pela minha estante!

Rick Riordan



Quem nunca ouviu falar dos deuses gregos? Impossível né? Gostei razoavelmente dos livros do Percy Jackson, particularmente acho que as adaptações deixaram a desejar, mas está aqui e faz parte da minha estante!

Lauren Weisberger


                                                                                     Miranda!! O diabo em pessoa!
Tanto o livro quanto o filme são bons! Achei a adaptação muito coerente com o livro e estou super ansiosa para o segundo! Ela tem mais alguns livros, mas minha lista está muito cheia rs então vou esperar um pouco para adquirir os outros


Stephenie Meyer


Sim, eu me apaixonei por Edward Cullen no ensino médio! ! #mejulguem
Foi uma das minhas primeiras sagas e fiquei que nem besta esperando por "Sol da meia noite" kkkkk
Acho que nosso gosto literário vai mudando conforme ficamos mais velhos (ainda bem hahaha)


Veronica Rith


Maais uma saga atual, que se tornou uma febre. Eu gostei muito dos livros, achei a história muito bem escrita, bem contada, os personagens são complexos. O filme é bom, mas acho que deixa um pouco a desejar. Mas como sempre, não podemos comprar muito livro e filme.


Clássicos:


Tabom, não cresci tanto assim hahaha como não amar esses clássicos? Fala sério, eu amo Alice nos País das Maravilhas e quando vi esse box (MARAVILHOSO) na bienal ano passado, não pensei duas vezes em comprar!


Carlos Ruiz Zafón


Esse box eu adquiri recentemente, comecei a ler "A sombra do vento" então ainda não sei bem o que falar sobre... Assim que eu terminar, vai ter resenha \o/



19 de setembro de 2015

Resenha: Capitães da Areia - Jorge Amado

Esse ano eu estou fazendo cursinho e sim, boa parte dos meus gastos em livrarias agora são destinados às leituras obrigatórias.
Comecei com Viagens na minha Terra e depois, louca por um vocabulário mais próximo do meu, fui para Capitães da Areia.
Eu não sou muito de escrever resenhas aqui, talvez porque eu falo demais, talvez porque não sei fazê-las direito, talvez porque me perco na crítica interessada em recomendar os livros. Enfim, enfim, enfim.
Eu vou tentar.


Capitães da Areia é um clássico brasileiro, pertencente à Segunda Fase Modernista - a chamada Prosa de 30, que possui certo tom de denúncia atrelado aos temas regionalistas, quase sempre retratando os problemas do Nordeste do século XX, relacionados à seca, ao descaso, às disparidades sociais e toda a problemática do retirante.
É uma fase da nossa literatura que, particularmente, possui um tom agridoce aos meus ouvidos, porque ao mesmo tempo que acho de importância extrema que todos esses pontos sejam muito bem escancarados para a população em geral, ainda dói um pouco saber que tantas pessoas já sofreram com a desigualdade que ainda existe em nosso país, dói muito saber que essas mesmas pessoas - responsáveis por erguer tantos e tantos prédios em São Paulo nos quais hoje, se tentassem adentrá-los, teriam grandes chances de serem barrados. Dói MUITO ter que conviver com o preconceito que meus conterrâneos têm com os nordestinos, e dói ainda mais pensar em tudo o que meus bisavós, alagoanos, certamente passaram aqui em São Paulo. Mas ainda mais do que isso, o que dói na alma e abre uma ferida jamais capaz de ser cicatrizada, é saber que ainda há muito o que melhorar em determinadas aéreas do sertão nordestino para que esse povo, tão sofrido, tão julgado, menosprezado e explorado, tenha enfim condições dignas, condições que não poderiam nunca faltar a nenhum ser humano, mas que, infelizmente, são a realidade invisível que boa parte do país prefere não ver, prefere atirar pedras sem nem enxergar o que há por trás do véu, prefere vociferar ignorâncias ao invés de ter o mínimo de empatia.
Dado meu desabafo, vamos ao livro em si.

Capitães da Areia conta a história de meninos órfãos, abandonados, esquecidos e de pouca importância que, em Salvador - a cidade da Bahia, formam um grupo de delinquentes-mirins a roubar, enganar e estuprar pela cidade.
Nele conhecemos alguns desses meninos: Pedro Bala, o líder dos capitães, órfão de pai e mãe - o pai era líder de uma classe de grevistas, é bom salientar. Sem Pernas é coxo e carrega em si toda a raiva de uma criança que já apanhara da polícia, além de enganar moradores de casarões da cidade afim de se infiltrar nas casas para facilitar um posterior roubo. Pirulito prende-se à religião e encontra nela uma forma de conforto. Boa Vida rouba um ali e outro acá, mas sem muito comprometimento aos planos do grupo. Gato é malandro, mente como ninguém. Volta Seca, afilhado de Lampião, sonha em fazer parte do grupo de cangaceiros. Professor é o único que sabe ler, além de ter um talento natural para às artes plásticas. João Grande é corajoso, alto e conhecido por proteger os mais novos. E Dora, ah, Dora, garota que perdeu os pais para a bexiga - varíola, passa a ser uma importante personagem do trapiche, onde todos moram. Além deles, ainda conhecemos o padre José Pedro, que aos poucos se torna amigo do meninos do grupo com o objetivo de fazer alguma mudança na vida deles. Dona Aninha e Querido-de-Deus também fazem parte da vida dos garotos.
O enredo é baseado na história de vida de cada um dos personagens principais e em suas aventuras em Salvador, desde o dinheiro que Professor consegue ao desenhar os abastados do centro até os cínicos discursos de Sem Pernas para comover senhoras em suas mansões. A linguagem é coloquial - marca do Modernismo, e de fácil entendimento. A cronologia dos fatos é facilmente entendida e Jorge Amado fez um brilhante trabalho ao nos aproximar da realidade dos garotos por meio da linguagem e da descrição da cidade e de seus habitantes e costumes.

No meio de suas aventuras, entramos no trapiche e encaramos a vida de crianças que foram obrigadas a abdicar de suas infâncias em nome da sobrevivência. É fácil de engolir as condições nas quais eles vivem? Não. É difícil conter o choro em algumas partes? Sim.
O histórico de abandono e negligência por parte da sociedade, que mostra logo nas primeiras páginas do livro um grande problema da sociedade brasileira até hoje, o que querer medidas imediatistas e paliativas, que não mudam a raiz do problema e apenas o mascaram por algum tempo, é algo que fica entalado em nossas gargantas até a última página, já que nos questionamos a todo o momento onde se perdeu a assistência, a humanidade e a empatia de todos os envolvidos - governantes, civis, filantropos. 
O romance nos traz o lado da moeda que na maioria das vezes não enxergamos quando noticiam um assalto realizado por menores. O fato de que eles são criminosos é romantizado? Não, na verdade é bem escancarado e escrito em letras garrafais, ninguém tem dúvida de que sim, eles estão errados de forma ou de outra, mas Jorge Amado nos traz o que seria uma justificativa para os crimes cometidos, quando repete, inúmeras vezes, que os meninos não têm alternativa, que eles não enxergam perspectiva, que a realidade deles é como a visão de um míope. 
A análise desse contexto vai de cada um, depende de posições ideológicas, conhecimento e visão de mundo e enfim, da opinião mesmo: seriam os garotos os únicos """culpados""" pela situação na qual estão? Seriam """vítimas""" do próprio destino? Poderiam mudar suas vidas? Encontrar outro caminho? Eu não sei. Na realidade, tenho a minha posição quanto a esse assunto muito bem definida, mas prefiro me abster de comentários - por mais que já tenha falado demais, e deixar para uma posterior reflexão de vocês, de preferência, depois de terem lido o livro.
O fator comum é: essa realidade é preocupante. Essa realidade só piora. Crianças que nem mesmo completaram 10 anos de idade hoje podem ser vistas viciadas em drogas pesadas, vivendo sob viadutos e financiando a própria válvula de escape com o dinheiro alheio.
Mas Jorge Amado possuía grande simpatia com os ideais comunistas e ele os usa como a solução do problema denunciado, sempre polarizando a sociedade em ricos opressores e pobres explorados, com a famosa luta de classes que impera na raiva que muitos dos meninos demonstram em suas personalidades. Sim, preciso dizer que a utopia e que o maniqueísmo muitas vezes transbordado das páginas amareladas me deixa um tanto quanto desconfortável, já que foge um pouco do que nós já enxergamos como realidade e constrói um certo clima de solução milagrosa que estaria escrita nas palavras de Marx e acabaria com todos os problemas sociais do Brasil - isso é apenas a minha opinião sobre o assunto, para deixar claro, mas não, isso não tira uma verdade muito bem denunciada: nós precisamos fazer algo. Precisamos mudar essa situação. Não é possível que tenhamos naturalizado o menor infrator, que aceitemos como condição inerente e que agora não conseguimos mais enxergar por trás das grades. Não é aceitável que crianças continuem a perder sua inocência, seu direito de brincar e ir ao colégio, sua licença de não entender o mundo como ele é. Precisamos fazer algo. Agora. Eles também são a nossa responsabilidade, a nossa sociedade, o nosso país, a nossa vida! Talvez você não acredite em mudar o comportamento humano, mesmo se tratando de crianças, mas que tal então mudar a realidade antes mesmo deles entrarem em contato com ela? Vamos nos mover, participar mais de projetos sociais, de projetos políticos que incluem a sociedade, de movimentos que discutem e promovem mudanças. 
No fim, é isso que o autor planta em cada leitor: a desesperadora vontade de mudar a realidade. Eu já comecei algumas pequenas mudanças ao meu redor.
E você?

E aqui está o motivo pelo qual não escrevo resenhas: elas se tornam mais um texto dissertativo do que uma resenha em si #fail.
Mas espero que tenham gostado e que se interessem por esse livro incrível!

13 de setembro de 2015

Minhas coleções, Parte 1

Hoje eu vou falar um pouquinho de algumas sagas, séries e coleções que compõe minha estante... Eu vou dividir o post para não ficar muiiito longo ! Qualquer dúvida sobre as coleções, se você quer comprar e ainda não se decidiu, se gostou, se não gostou... Comenta aqui :)

Dan Brown

Eu absolutamente amo os livros dele! A leitura é dinâmica e cada capítulo termina com uma questão, que te faz ler o próximo capítulo, que vai terminar com algum ponto de interrogação, que faz ler o próximo e o próximo e quando você se da conta, o livro acabou! rs Ta faltando um livro na livro, que eu cometi o erro de emprestar e nunca mais recebi de volta  =/
O meu preferido é Inferno, tanto que até comprei a versão ilustrada, que estava na promoção na Livraria Leitura por R$29,90.


Jhon Green


Não podia faltar né?
Como já falei algumas vezes, sua Monalisa é "A culpa é das Estrelas" mas os outros livros também são bem bacanas... Eu acho o Jhon Green um autor muito versátil, isso faz com que seus livros sejam muito diferentes... Por exemplo o Dan Brown tem os livros muito semelhantes, ao ler da pra perceber a linguagem e até mesmo a estética do livro identificam seu autor...
Já o Jhon Green consegue se adaptar e isso é muito bacana também!
"A estrela que nunca vai ser apagar" não é dele, mas como foi a inspiração de "A culpa é das estrelas", coloquei aqui também.


Harry Potter


Sim eu sou a louca do Harry Potter e daí? hahahaha Eu praticamente comi os livros! Na época peguei uma promoção na submarino e comprei a saga por R$ 69,90 e ainda ganheis os contos.Ganhei um vira-tempo de aniversário de uma amiga (esqueci de por na foto)... Eu quero muuuuuito a edição de colecionador, mas vamos esperar por promoções hahahaha


Paulo Coelho


Eu era preconceituosa com ele, admito. Então um dia vi a capa do "Veronika decide morrer" na biblioteca (sim pessoas, biblioteca! ) e me interessei pelo livro... Foi amor a primeira lida!  hahaha Comecei a comprar outros livros do autor e sinceramente percebi que meu preconceito era bobo, e apesar de muitas pessoas o acharem um péssimo autor, eu gosto. E gosto por livros é muito particular, então vamos deixar esse PRECONCEITO LITERÁRIO de lado e nos entregar a novas leituras!
Tem alguns livros recentes que ainda não comprei, mas pretendo !


Bernard Weber


É um box chamado "A revolução das formigas". Há alguns anos atrás eu fiquei beeem interessada no assunto formigas (não sei por que hahahaha) E quando vi esse box me interessei ! O livro é sobre algumas pessoas que se inspiram no modo de vida tão organizado das formigas, para organizar suas próprias vidas. Eu ameei as histórias, os livros do box são continuações, e são realmente legais. (apesar de ser um assunto estranho rs)


Suzanne Colins


A febre atual, praticamente devorei também!  O filme é muito bom, apesar de ter mudanças bem bruscas em algumas partes. Não poderia ficar de fora, porque é uma história muito boa mesmo. A saga prende a leitura, e sofremos junto com a Katniss. E torcemos para a sorte estivesse à favor dela!