Tá perdido?

Carregando...

Sobre nós

Curta!

Seguidores

Twitter

Siga por e-mail

Siga!

Eu leio Brasil

Pai bárbaro

Loja do leitor

Meise está lendo

Isadora está lendo

Favoritos de Meise

Favoritos de Isadora

Tecnologia do Blogger.

Link us

Viciadas em Livros

Arquivo do blog

19 de outubro de 2013

Indicação: Livros relacionados ao Holocausto

Olá, pessoal!

Livros que retratram o Holocausto chamam muito a minha atenção, por isso, decidi fazer um post indicando alguns que li e alguns que quero ler também! Espero que gostem <3

P.S: Criei um Ask.fm ontem, então se vocês quiserem mandar algumas perguntas, sugestões para posts, críticas ou elogios por lá, sintam-se à vontade :)

O Órfão de Hitler - Paul Dowswell

Piotr Bruck era apenas um menino polonês quando os nazistas mataram seus pais e invadiram seu país. Seu destino parecia traçado: acabaria num orfanato e depois seria um trabalhador escravo. Mas seus olhos azuis, cabelo loiro, pele clara e estatura faziam dele um exemplo da raça pura, um modelo para a Juventude Hitlerista. Então, os alemães o entregaram à uma família nazista... O que seus olhos vivenciaram o transformaria para sempre. Afinal, ele deveria ou não lutar pela humanidade? De qual lado deveria estar? Uma escolha difícil que faz desse livro um romance arrebatador.








O Pianista - Wladyslaw Szpilman

Neste livro, um jovem e talentoso pianista recupera suas memórias e as de seus parentes no Gueto de Varsóvia, durante a Segunda Guerra Mundial. O autor narra a deportação e morte de toda a sua família, construindo um documento emocionante sobre o Holocausto. Roman Polanski se inspirou no livro para digirir o filme homônimo, vencedor do festival de Cannes.









Escondendo Edith - Kathy Kacer

Este livro mostra o drama de uma garota judia de seis anos que precisa enfrentar os horrores da Segunda Guerra Mundial.
Edith Schwalb tem apenas seis anos quando Hitler invade a Áustria. De repente, a garotinha se vê obrigada a deixar uma vida confortável em Viena para entrar em uma rotina de fugas e incertezas. Primeiro, sua família se muda para a Bélgica, mas é perseguida e foge para a França.
Lá, seu pai é preso pelos nazistas e enviado 
à um campo de concentração. Perante a difícil situação, sua mãe resolve enviar seus filhos caçulas Edith e Gaston para um abrigo na cidadezinha de Moissac, que acolhe crianças judias.
Todos os cidadãos de Moissac guardam o segredo das crianças. A casa é dirigida pelo casal Shatta e Bouli Simon, que ensina às crianças técnicas para sobreviver.
Apesar de muito nova, Edith se depara com perguntas difíceis. Por que sua mãe a abandonou? Ela não a ama? Será que eles estão mesmo seguros em Moissac? Em quem confiar? Um dia sua família se reencontrará?
A partir da comovente história de Edith Schwalb, Kathy Kacer constrói uma narrativa emocionante, que mistura literatura e biografia.
Escondendo Edith tem o objetivo de mostrar os horrores do Holocausto para as crianças, para que episódios como este nunca mais voltem a acontecer.


Resistência: A História de uma Mulher que Desafiou Hitler - Agnès Humbert


No verão de 1940, quando a ocupação nazista na França se tornou irremediável, a vida da historiadora de arte Agnes Humbert tomou um rumo surpreendente. Inconformada com a dominação nazista, movida por uma coragem ímpar e com o apoio de seus colegas do Museu do Homem em Paris, Agnès fundou um dos primeiros grupos da Resistência francesa. Durante quase um ano, ela e seus companheiros redigiram, imprimiram e distribuíram o jornal Résistance, além de panfletos e outros textos contra o governo de Vichy.
A rede de rebeldes do Museu do Homem, improvável porém eficiente, conquistaria um lugar de trágico destaque na história da Segunda Guerra Mundial. Em 1941, muitos dos seus membros, incluindo o carismático líder Boris Vildé e a própria Agnès, foram traídos por um espião e entregues à Gestapo. Presos, sete dos homens foram condenados à morte e executados por um pelotão de fuzilamento. As mulheres foram deportadas para a Alemanha como trabalhadoras escravas.
Em "Resistência", esses eventos são descritos com um imediatismo pulsante, que percorre cada página do diário secreto de Agnès, publicado inicialmente na França em 1946 e depois esquecido. Até a sua captura, nos primeiros meses de 1941, Agnès registrou os fatos dia após dia, e suas anotações nos permitem acompanhar cada passo dos primórdios da Resistência. Feita prisioneira, ela não tinha mais como escrever em seu diário. Contudo, ao ser libertada em 1945, dedicou-se a repassar os fatos em sua memória para registrá-los ainda no calor dos acontecimentos.
Com humor, inteligência e ironia, Agnès constrói uma narrativa única, um ponto de vista original sobre esse período obscuro e dramático do século XX. A delicadeza de suas observações cativa o leitor. Apesar de fisicamente debilitada e espiritualmente exausta, ela ainda é capaz de se preocupar com a saúde da mãe e a situação dos filhos. Quando seu filho Pierre a visita na prisão de Fresnes, Agnès se ressente da degradação daquele momento e lamenta consigo mesma por não poder evitar que ele tome parte naquele teatro do absurdo.
Recusando-se, inclusive nos dias mais duros, a ceder e a abandonar sua compaixão, Agnès revela aos poucos, com habilidade e um toque de sarcasmo, a profundidade de seu ultraje e de suas convicções. Escrito com o vigor dos eventos recém-vividos, "Resistência" é o testemunho do espírito indomável de uma mulher, e um tributo eloqüente ao sacrifício e à coragem dos seus camaradas que não sobreviveram.


A vida em tons de cinza - Ruta Sepetys



1941. A União Soviética anexa os países bálticos. Desde então, a história de horror vivida por aqueles povos raras vezes foi contada. Aos 15 anos, Lina Vilkas vê seu sonho de estudar artes e sua liberdade serem brutalmente ceifados. Filha de um professor universitário lituano, ela é deportada com a mãe e o irmão para um campo de trabalho forçado na Sibéria. Lá, passam fome, enfrentam doenças, são humilhados e violentados. Mas a família de Lina se mostra mais forte do que tudo isso. Sua mãe, que sabe falar russo, se revela uma grande líder, sempre demonstrando uma infinita compaixão por todos e conseguindo fazer com que as pessoas trabalhem em equipe. No entanto, aquele ainda não seria seu destino final. Mais tarde, Lina e sua família, assim como muitas outras pessoas com quem estabeleceram laços estreitos, são mandadas, literalmente, para o fim do mundo: um lugar perdido no Círculo Polar Ártico, onde o frio é implacável, a noite dura 180 dias e o amor e a esperança talvez não sejam suficientes para mantê-los vivos. "A vida em tons de cinza" conta, a partir da visão de poucos personagens, a dura realidade enfrentada por milhões de pessoas durante o domínio de Stalin. Ruta Sepetys revela a história de um povo que foi anulado e que, por 50 anos, teve que se manter em silêncio, sob a ameaça de terríveis represálias. 

O Diário de Anne Frank - Otto H. Frank e Mirjam Pressler

12 de junho de 1942 - 1° de agosto de 1944. Ao longo deste período, a jovem Anne Frank escreveu em seu diário toda a tensão que a família Frank sofreu durante a Segunda Guerra Mundial. Ao fim de muitos dias de silêncio e medo aterrorizante, eles foram descobertos pelos nazistas e deportados para campos de concentração. Anne inicialmente seguiu para Auschwitz e mais tarde para Bergen-Belsen.












O menino do pijama listrado - John Boyne


Bruno tem nove anos e não sabe nada sobre o Holocausto e a Solução Final contra os Judeus. Também não faz ideia de que seu país está em guerra com boa parte da Europa, e muito menos de que sua família está envolvida no conflito. Na verdade, Bruno sabe apenas que foi obrigado a abandonar a espaçosa casa em que vivia em Berlim e mudar-se para uma região desolada, onde ele não tem ninguém para brincar nem nada para fazer. Da janela do quarto, Bruno pode ver uma cerca, e, para além dela, centenas de pessoas de pijama, que sempre o deixam com um frio na barriga. Em uma de suas andanças Bruno conhece Shmuel, um garoto do outro lado da cerca que curiosamente nasceu no mesmo dia que ele. Conforme a amizade dos dois se intensifica, Bruno vai aos poucos tentando elucidar o mistério que ronda as atividades de seu pai. "O Menino do Pijama Listrado" é uma fábula sobre amizade em tempos de guerra, e sobre o que acontece quando a inocência é colocada diante de um monstro terrível e inimaginável.

Inverno na Manhã - Janina Bauman


Em um relato pessoal e tocante, Janina Bauman nos revela as experiências e emoções de uma adolescente de família próspera que sofreu os horrores de ser judia numa terra controlada pelos nazistas.
Quando Hitler invadiu a Polônia em 1939, Janina tinha 14 anos. Nos seis anos seguintes ela enfrentou a luta pela vida e os dilemas da adolescência, o medo e a perda da inocência, a fome e as primeiras emoções do amor.
A partir de seus diários da época — escondidos durante a guerra e reencontrados intactos após o conflito —, a autora retorna a esses duros anos, apresentando-nos sua família, as amizades surgidas do infortúnio, a fuga do gueto de Varsóvia, a vida em esconderijos.
Uma história extraordinária de sobrevivência, coragem e paixão pela vida.
“Durante a guerra aprendi uma verdade que geralmente preferimos não enunciar: que o mais brutal da crueldade é que ela desumaniza suas vítimas antes de destruí-las. E que a luta mais árdua de todas é permanecer humano em condições desumanas.” 



Uma Criança de Sorte - Thomas Buergenthal

Muito já foi escrito sobre os horrores do Holocausto, mas não há história mais emocionante que a de Thomas Buergenthal em "Uma Criança de Sorte". À primeira vista, parece não existir sorte alguma em sua vida: ainda não tinha seis anos quando ele e seus pais foram obrigados a viver num gueto na Polônia e, em 1944, aos dez anos, foi enviado à Auschwitz com sua família. Após ser separado dos pais, o pequeno Thomas, forte e esperto, trabalha para escapar da morte nas câmaras de gás, e assim consegue resistir à tragédia que assolou o mais conhecido campo de concentração da Segunda Guerra Mundial. Quase um ano depois de sua chegada a Auschwitz e de sobreviver à Marcha da Morte e a Sachsenhausen — outro campo de concentração sob o comando da guarda alemã —, onde sofreu severamente com a fome e o frio, Thomas enfim estava livre... e sozinho. Thomas Buergenthal relata, nesta autobiografia traduzida para mais de dez idiomas, todos os incríveis detalhes de uma história comovente, para que o Holocausto seja finalmente compreendido “através dos olhos daqueles que sobreviveram à ele”.

Jogando Xadrez com os Anjos - Fabiane Ribeiro

Inglaterra, 1947. A Europa encontra-se devastada pela Segunda Guerra Mundial, assim como o coração de Anny. A garota de oito anos vê seu mundo desmoronar ao receber a notícia de que não poderá mais viver com os pais e terá que se mudar de casa levando pouco mais que seu tabuleiro de xadrez. Tudo parecia um pesadelo, até que surge Pepeu, um jovem misterioso que mudará para sempre a vida de Anny, levando-a a aprender sobre o mundo e a viver momentos emocionantes sem sair dos canteiros de seu pequeno jardim. Ao lado de anjos que são colocados em sua jornada, a doce menina aprende a enfrentar as dificuldades através de lições de abnegação, fé e amor verdadeiro.






A chave de Sarah - Tatiana de Rosnay

Julia Jarmond é uma jornalista Americana que vive em Paris há 25 anos e é casada com o arrogante e infiel Bertrand Tézac, com quem ela tem uma filha de onze anos. Julia escreve para uma revista americana, e seu editor pede que ela cubra o sexagésimo aniversário da grande concentração no Vélodrome d’Hiver – um estádio no qual dezenas de milhares de judeus ficaram presos antes de serem enviados para Auschwitz.

Ao se aprofundar em sua investigação, Julia constata que o apartamento para o qual ela e o marido planejam se mudar pertenceu aos Starzynski, uma família judia imigrante que fora desapossada pelo governo francês da ocupação, e em seguida comprado pelos avós de Bertrand. Ela resolve descobrir o destino dos ocupantes anteriores. É revelada então a história de Sarah, a única dos Starzynski a sobreviver.

A família de Sarah foi uma das muitas brutalmente arrancadas de casa pela polícia do governo colaboracionista francês. Michel, irmão mais novo da garota, se esconde em um armário, e Sarah o tranca lá dentro. Ela fica com a chave, acreditando que em poucas horas estará de volta. Julia é então impelida a retraçar a sofrida jornada de Sarah em busca de liberdade e sobrevivência, dos terríveis dias em campos de concentração aos momentos de tensão na clandestinidade, e por fim seu paradeiro após a guerra. E à medida que a trajetória da garota é revelada, mais segredos são desenterrados.

Ao escrever sobre o passado da França com uma clareza implacável, Tatiana de Rosnay oferece em A Chave de Sarah um contundente retrato da França sob a ocupação nazista, revelando tabus e negações que circundam este doloroso período da História francesa.


Então é isso, gente! Espero que tenham gostado do post ♥ Se souberem de mais livros com esse tema, por favor, deixem nos comentários!

xx :)


43 comentários:

  1. Esse tema tbm me chama muito a atenção, mas de todos que citou li apena o de Anne e Inverno na Manhã, ~são livros extraordinários que quase me fizeram chorar ;(

    http://saga-preciosa-cristal.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Também AMO livros com temática de guerra. Suas escolhas foram ótimas, vários livros que eu nunca tinha ouvido falar e que parecem interessantíssimos.

    ResponderExcluir
  3. A cada dia esse blog me surpreende. Fico impressionado como meninas tão jovens se interessam por esse tipo de literatura. Adorei todas estas indicações e gostaria de fazer mais uma: "O Anjo de Hitler", ainda não li, mais tenho conhecidos que elogiaram bastante.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ficamos MUITO felizes em ler isso, Lucas! Muito obrigada. Ah, agradeço pela indicação, vou pesquisar sobre esse livro :)

      Excluir
  4. Muito bom, desconhecia alguns, li outros e já estava em vista uns que ainda não tive a oportunidade de ler
    Tem um também que eu comprei em um sebo esses dias, O Diário de Hélène Berr, ainda não comecei a ler, mas se trata do Nazismo na França... Me pareceu muito bom.

    ResponderExcluir
  5. Eu adoro também essa temática em livros!! As tramas são sempre tristes, eu acabo chorando no final, mas não deixo de lê-las hehe "Jogando Xadrez com os Anjos" e "A vida em tons de cinza" estão na minha lista de desejados, já li "O Menino do Pijama Listrado" e achei a história sensacional e confesso que nunca li "O Diário de Anne Frank", estou esperando aparecer alguma edição bonita e barata hehe Darei uma olhada nas outras dicas também! Bjs
    Jéssica - http://lereincrivel.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Já li "O menino do pijama listrado" e "Inverno na manhã" são muito bons, retratam bem tudo que as pessoas da época passavam e no segundo livro todas as dificuldades para se esconder dos nazistas.
    Beijos, Thaynara
    http://livroscombolinhos.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  7. Além desses tem também "O homem que venceu Hitler", "Mila 18"e "Êxodo".

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. um dos melhores livros que já li ' O homem que venceu Hitler'

      Excluir
  8. Amo livros que relatam a Segunda Guerra Mundial,tem vários livros que amei O Colecionador de Lagrimas,O colecionador de Esperança, O diário de Marry Berg ,Uma ilha no oceano,A Mala de Hanna,A Historia de Eva,O Diário de Anne Frank,e o meu preferido Entre o Amor e a Guerra. Bom esses são alguns que ja li e amei .

    ResponderExcluir
  9. "A menina que roubava livros" Cade? o.o
    Um que eu gosto muito é "Adeus, meninos" do Louis Malle.

    ResponderExcluir
  10. vocês tem sites para me indicar para ler livros sobre o holocausto? procurei um monte ja e nao estou achando. Obrigado

    ResponderExcluir
  11. Eu gostei muito do "O zoológico de Varsóvia" !

    ResponderExcluir
  12. também gosto destes tipos de livro que nos fazem refletir a vida, me emociono ao ler... um que li e gostei muito e que não foi mencionado foi O DIÁRIO DE ANNE FRANK.

    ResponderExcluir
  13. Um espetáculo de livro sobre guerra: GIGANTES DE CORAÇÃO - TRIANGULO ROSA.

    ResponderExcluir
  14. "A Bibliotecária de Auschwitz" de Antonio G. Iturbe
    "A rapariga de Auschwitz" de Eva Schloss

    ResponderExcluir
  15. Muito bom o Post!! Li "O diario de Anne Frank", muito bom!! quero ler "o menino do pijama listrado"... Tem o Maus, que não esta na lista, que é muito bom também, sobre a vida de Spielgman em Auschwitz...
    Parabéns.

    ResponderExcluir
  16. Muito boas essas sugestões! Até hoje só li dois livros com esse tema, mas achei e acho muoto interessante. Obgd

    ResponderExcluir
  17. Peço desculpa mas esqueceram-se de falar do Primo Levi, Se isto é um homem. É um relato de um sobrevivente de um campo de concentração. Adorei a publicação. Parabéns.

    ResponderExcluir
  18. Muito obrigada! eu estava procurando indicações sobre o holocausto e bem, aqui estou, anotei todos e pretendo ler assim que possível, e os que eu conhecia era só o que estão nos comentários anteriores. Novamente, obrigada!

    ResponderExcluir
  19. Olá meninas, como vocês eu amo ler livros sobre Hitler e sobre o Holocausto.
    Estudo muito a vida de Hitler e o Holocausto também.
    Tenho algumas dicas de livros pra vocês. " O trem dos orfãos", "Eu sou o último Judeu", "As meninas do quarto 28", "Ele está de volta", " Lista de Schindler- A verdadeira história".
    A pouco tempo li um livro que se chama "Hitler poe ele mesmo" e fiquei completamente fascinada. Antes dele se tornar um monstro, ele foi um grande homem. Vale a pena ler.
    Ainda não tenho um blog, mas quem quiser saber mais sobre livros, sobre Hitler e sobre o Holocausto pode mandar e-mail.
    renataansani10@gmail.com
    Beijos

    ResponderExcluir
  20. Acabo de ler "O Pianista", apaixonei pelo livro e me descobri um curioso sobre o tema, obrigado pela lista, "Inverno da Manhã" despertou meu interesse!

    ResponderExcluir
  21. Há vários anos li um livro que gostaria de reler. Este livro fala sobre um prisioneiro de um campo (acho que era Auschwitz), e nessa história me marcou muito a parte em que eles deixavam batatas apodrecerem para que, com as larvas, elas ficassem mais nutritivas. Se alguém conhece e se lembrar do nome, eu gostaria de reler. Tive depressão pós-parto e esqueci completamente o título e autor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Primo Levi, no livro "É isto um homem?" fala sobre isso. Talvez seja esse o livro que procura se lembrar. Se não for, leia. Um dos mais interessantes e elegantes livros sobre o holocausto. Abcs.

      Excluir
  22. Amo ler livros com esse tipo de tema, já li "o menino de pijama listrado", "a menina que roubava livros", " resistência" entre outros. Mas o livroas legal que li mesmo foi " no dia em que Deus foi dormir" de Sammy Pulver.

    ResponderExcluir
  23. Um livro sobre esse tema que garanto que vão gostar de ler é : "no dia em que Deus foi dormir" de Sammy Pulver.

    ResponderExcluir
  24. No dia em que Deus foi dormir e Treblinka são ótimos livros

    ResponderExcluir
  25. Olá!Descobri o seu blog por acaso.Sou professora da rede pública e estou trabalhando em um projeto com esse tema.Tenho sugestoes;1-Os ultimos sete meses de Anne Frank( depoimentos de mulheres que conviveram com A.F. nos últimos dias de vida)2- Mulheres nazistas(ainda nao li) e um sobre um sobrevivente que,hoje, é professor e volta a auscwitz.Nao lembro direito,mas foi lançado esse ano :Paisagens de uma metrópole...Quero aproveitar e parabenizar a iniciatva do site.Ainda não visitei tudo,mas voltarei logo.Até breve.Um abraço.MARGARETH

    ResponderExcluir
  26. Acabei de ler "a guerra de Clara", sem brincadeira nenhuma: bate de frente com "O diário de Anne Frank" chorei mto, Ameeeei esse livro

    ResponderExcluir
  27. Prisioneiro B3087 é simplesmente fantástico…traz uma riqueza nos detalhes capaz de nós remeter a época e vivenciar amargamente tudo o que 6 milhões de judeus..negros..homossexuais…ciganos..viveram com o holocausto. Esse livro foi marcante para mim. Chorei muito...já com O menino do pijama listrado e A mala de Hana apesar de serem histórias tristes. .. foram contadas
    de forma mais leve.

    ResponderExcluir
  28. Boa lista. Alguns nunca tinha ouvido falar. Vou ler com certeza, gosto muito de livros sobre a segunda guerra, campos de concentração... acho importante ver que a maldade humana não tem limites e que nada é impossível de voltar a acontecer. Incluiria na lista os livros do Primo Levi sobre o tema. Obrigado.

    ResponderExcluir
  29. Que post interessante e completo! Cheguei até aqui pesquisando bibliografias sobre o Holocausto, pois estou escrevendo a história de um sobrevivente, através da minha editora Biografa (www.biografa.com.br). Um livro maravilhoso, além dos muitos já citados, chama-se "A Noite". Quando o li brincava que o nome do livro foi por minha causa: comecei a lê-lo por volta de 18h e, em lágrimas, o concluí por volta das 5h da manhã. Maravilhoso relato de situações terríveis. Tudo isso atrai tanto porque nos torna mais humanos e conscientes de nossa fragilidade e fortaleza. Parabéns às autoras.

    ResponderExcluir
  30. Ótimo site. Sugestões: o homem que venceu Auschwitz. Inverno na manhã. Eu sobrevivi ao holocausto. Os últimos meses de Anne Frank. Sob o fantasma do holocausto.

    ResponderExcluir
  31. Amei as sugestões, vários deles já li. " Os bebês de Auschwitz" também é um excelente livro.

    ResponderExcluir
  32. alguém sabe algum livro do holocausto que pode baixar em PDF? Se alguem souber me passa o link...obrigado

    ResponderExcluir
  33. Já li tbm "A mala de Hanna", é um livro maravilhoso.

    ResponderExcluir
  34. Amei o livro Dois Irmãos Uma Guera, eu recomendo é ótimo. E sobre o comentario que falaram que Eva era uma rapariga descordo e onde fica o respeito. O livro dela foi ótimo amei. Aceito dicas de livros sobre o Olocausto valeu bjs

    ResponderExcluir
  35. Poxa quanta sugestão, contei mais de 43, muito bom! Tem mais um: O baú de lágrimas.

    ResponderExcluir
  36. Li um livro a muitos anos atrás e gostaria muito de reencotra-lo para uma releitura, era de uma judia-polonesa que contava sua história de sobrevivência do holocausto, certo momento na história ela estava com uma identidade falsa e na estação de trem quase a descobriram e trabalhava disfarçada de alemã para sobreviver. Se alguém tiver alguma informação por favor me avise "ramoncsales@hotmail.com" tenho quase certeza que o título do livro continha a palavra "vida"

    ResponderExcluir
  37. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir

A leitura é uma porta aberta para um mundo de descobertas sem fim. - Sandro Costa

Obrigada pela visita. Sinta-se a vontade para dar sugestões, fazer críticas ou elogios!