Tá perdido?

Carregando...

Sobre nós

Curta!

Seguidores

Twitter

Siga por e-mail

Siga!

Eu leio Brasil

Pai bárbaro

Loja do leitor

Meise está lendo

Isadora está lendo

Blog Archive

Favoritos de Meise

Favoritos de Isadora

Tecnologia do Blogger.

Link us

Viciadas em Livros

Arquivo do blog

21 de agosto de 2013

Coluna do Escritor #5: Coffee O' Clock - Alessandra Santarosa

{A "Coluna do Escritor" é uma coluna onde divulgamos o trabalho de escritores nacionais. Se você escreve textos/crônicas, pode mandar pra gente através da aba Contato do blog ou pelo e-mail (viciadas-em-livros@hotmail.com). Se gostarmos do seu texto, ele será publicado no Viciadas em Livros juntamente com o seu blog (se tiver) e redes sociais. Saiba como enviar a sua crônica aqui.}

Oi, gente!

Olha quem está na Coluna do Escritor de novo: a Alessandra Santarosa, que escreveu esse texto aqui. Ela decidiu mandar outro pra nós, e é um texto que te surpreende do início ao fim (não cometam o erro de lerem o final antes mesmo de começarem, por favor!). Tratando-se da escrita, a Alê pode te surpreender de todas as maneiras. Ela sempre termina os textos de uma forma inesperada e isso é magnífico, porque como eu disse na primeira publicação de seu texto, a Alê sabe apreciar muito bem o amor. 

Ah, uma sugestão pra hoje: que tal separar um dia dessa semana pra ler alguma fanfic da Alê? Uma das fanfics dela já está finalizada e ela fez uma playlist no 8tracks pra ouvir durante a leitura da mesma. Vocês podem lê-la aqui e ouvir as músicas aqui *-*

P.S: É recomendada a leitura desse texto ao som de "She Will Be Loved", do Maroon 5. Quando terminei a leitura, a primeira música que pensei foi essa, pois acho que ela tem tudo a ver com a temática do texto. Boa leitura! 



Coffee O’Clock

"Ouço-o se aproximar conforme suas calças farfalham e seus pés tocam o frio piso de cerâmica. Não ergo o olhar, mas sinto seu calor e sua presença chegando perto. Ele se senta no banco na minha frente, bem aonde o sol da manhã mais ilumina após ter invadido a cozinha pela grande janela do apartamento. Os raios de sol clareiam seus fios de cabelos, dando-os um aspecto invejável à qualquer um.
É domingo de manhã e ele está usando aquele sorriso sedutor que só ele tem aos domingos de manhã. O sorriso de quando acorda de bom humor.
Noto como seus lábios se curvam e como sua voz ainda está rouca por ter acabado de acordar. Meu corpo se arrepia e tento disfarçar com uma expressão séria.
Estou sentada sozinha há algum tempo, pensando nos grandes planos para o futuro que temos. Os planos que fazemos antes de dormir, ou no carro, no caminho para a casa de seus pais nos feriados. 
Meu humor está instável, eu percebo, enquanto o dele está impecável. Me beija no rosto e desfila em sua calça de flanela até a cafeteira enquanto assovia uma música do The Kooks.
Não é justo, sabe? Ele estar sempre tão intenso e eu estar apenas o pó. 
Naquele momento sei que pareço misteriosa com todo o meu silêncio, mas não tenho o que falar além de uma injeção de segredos. Ainda assim, o silêncio é confortável. Sempre fora entre nós.
Ele me entrega uma xícara de café preparada do jeito que eu gosto, e eu a bebo depois de soprar infinitas vezes. Sua voz ressoa no fundo da minha cabeça, me perguntando coisas, e eu tento me concentrar no jornal que o seu Zé, o porteiro, deixou na porta. 
“Nova York já fora mais romântica”, eu penso ao ler a matéria da capa. Trágica o suficiente para uma novela mexicana. Não consigo me concentrar, sentindo minhas entranhas se revirarem. Estou prestes a explodir de ansiedade.
Ele pega minha mão e brinca com meus dedos. Suspiro erguendo os olhos do jornal para ele e digo que o amo. “Uma novidade”, ele pede. Pergunto então o que vai fazer naquele dia. Diz que não tem nada em mente, a não ser me encarar o dia todo. 
Deixo um sorriso escapar e digo que tenho uma ideia do que ele pode fazer.
Me sinto uma adolescente e aperto os olhos timidamente com o que estou prestes a dizer.
Recebo um olhar curioso e me inclino para perguntar, se, por acaso, ele se importaria de começar a ser pai naquela tarde.
Para quem sabe, sei lá, o resto da vida?"

Bom, a Alê é um incentivo pra vocês: mandem textos pra coluna! Sabe aquele seu texto no fundo da gaveta que você adora? Então, mande pra gente! Escrever não é pra qualquer pessoa, pessoal. Não são todos que escrevem textos que nos fazem ficar emocionados ou até mesmo chorar. Escrever é um dom, e quem o tem deve divulgá-lo. Certo? 

Ah, pra quem quiser conversar com a Alê ou acompanhá-la nas redes sociais, aqui vão algumas: Twitter | Tumblr | Facebook Wattpad

Espero que tenham gostado do texto tanto quanto eu! Comentem dizendo o que vocês acharam, a opinião de vocês é muito importante pra Alê e, claro, pra nós! :)

4 comentários:

  1. Olá meninas...Nossa fiquei apaixona pela escrita dela. Talento ela tem de sobra para a escrita e a música é uma das minhas preferidas ♥
    Acabei copiando o texto, de tão lindo que é !!
    Parabéns Alê, você me fez sorrir lendo seu texto.
    Mil beijos!!!

    ResponderExcluir
  2. Que lindo *-* Li duas vezes, adorei o jeito como ela escreve.
    Parabéns Alê!!
    beijos :)

    ResponderExcluir
  3. Que lindo! Inspirador! E a foto ficou perfeita e posso imaginá-los tranquilos nessa manhã de domingo e ela esperando o momento certo para dar a notícia.

    ResponderExcluir

A leitura é uma porta aberta para um mundo de descobertas sem fim. - Sandro Costa

Obrigada pela visita. Sinta-se a vontade para dar sugestões, fazer críticas ou elogios!